Dólar tem menor patamar em quase 3 meses, apesar de rebaixamento do Brasil – Jornal do Comércio

Após rondar a estabilidade, o dólar firmou-se no campo negativo na reta final do pregão desta sexta-feira (12), acompanhando a aceleração das perdas da moeda americana no exterior. A divisa chegou a ficar abaixo dos R$ 3,20, mas acabou fechando nesse patamar, o mais baixo em quase três meses, apesar da decisão da S&P Global Ratings de rebaixar o rating soberano do Brasil. Na avaliação de profissionais do mercado, além de esse rebaixamento já ser esperado, o corte da nota pode servir de pressão para que o Congresso Nacional aprove a reforma da Previdência ainda neste ano.

O dólar à vista fechou em baixa de 0,27%, a R$ 3,2068, no menor valor desde 20 de outubro de 2017 (R$ 3,1898). O giro foi de US$ 1,283 bilhão. Na mínima, chegou a R$ 3,1998 (-0,49%) e na máxima, R$ 3,2295 (+0,43%). Na semana, acumulou perda de 0,83%.

No exterior, o dólar, que já vinha fraco, ampliou as perdas e o petróleo passou a subir mais com a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em relação ao acordo nuclear com o Irã. Apesar de se manter no tratado nuclear das potências mundiais com a república islâmica, a administração Trump impôs sanções contra autoridades e empresas ligadas a “violações de direitos humanos” no país, e também informou que vai trabalhar com autoridades europeias para modificar termos do acordo.

Quanto à decisão da S&P de rebaixar o rating brasileiro, a leitura é de que isso não afeta o interesse dos investidores pelo País. “O mercado está vendo melhora dos dados econômicos do País, as commodities passam por um bom momento, então vai atrás daquilo que é palpável”, avaliou Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

Para José Raymundo Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos, além de o rebaixamento já ter sido precificado pelos investidores, outra interpretação é de que a medida pode servir de pressão para que o Congresso aprove a reforma da Previdência neste ano. “Além disso, há as captações externas de empresas, e o humor externo é favorável ao real”, acrescentou.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!