Inadimplência do consumidor cai 3,5% em 2017 e evidencia maior cautela – Jornal do Comércio

A inadimplência do consumidor caiu 3,5% em 2017, de acordo com os dados nacionais da Boa Vista SCPC divulgados nesta quinta-feira. Em dezembro ante novembro, o recuo foi de 4,5%, com ajuste sazonal. Na comparação com igual mês de 2016, o indicador caiu 6%.

Segundo a Boa Vista SCPC, as adversidades ocorridas na economia nos últimos dois anos geraram grande cautela nas famílias, contribuindo para a redução da inadimplência. Agora, com a perspectiva de crescimento gradual da economia e da renda, e também com juros menores e inflação controlada, é esperado um ritmo estável do estoque de inadimplência. “Espera-se uma retomada sustentável da demanda de crédito, expandindo a renda disponível das famílias.”

Por regiões, a maior queda na inadimplência em 2017 foi registrada no Nordeste, de 5,4%. Em segundo, apareceu o Sudeste (-3,9%), seguido de perto por Centro-Oeste (-3,3%) e Norte (-3,0%). Já o Sul do País registrou aumento de 0,6% na inadimplência no ano passado.

Na comparação entre dezembro e novembro, com ajuste, houve recuo de 6,4% no Nordeste, queda de 6,0% no Sudeste e retração de 2,3% na região Norte. Em contrapartida, a inadimplência cresceu no Sul (0,2%) e no Centro-Oeste (0,1%).

Já o levantamento feito do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) sobre a inadimplência mostra que o ano de 2017 encerrou com um volume praticamente estável de brasileiros negativados estável, porém alto. A estimativa é que o Brasil tenha fechado dezembro com aproximadamente 60,2 milhões de brasileiros com alguma conta em atraso e com o CPF restrito para contratar crédito ou fazer compras parceladas. O número representa 39,6% da população com idade entre 18 e 95 anos.

“Mesmo com a lenta recuperação econômica em curso, as famílias ainda enfrentam dificuldades para honrar seus compromissos em dia. A reversão desse quadro passa pela continuidade da melhora econômica e, em especial, daquilo que toca diretamente o consumidor: emprego e renda”, afirma o presidente do SPC Brasil, Roque

Pellizzaro. “Além disso, exige um esforço contínuo de educação sobre o consumo – pesquisas elaboradas pelo SPC Brasil mostram, de forma decorrente, uma carência de controle das finanças pessoais.”

Em dezembro, houve um aumento de 1,27% na quantidade de inadimplentes na comparação com o mesmo mês do ano passado e de 0,63% na variação mensal, entre novembro e dezembro.

Segundo a pesquisa do SPC e da CNDL, a estimativa por faixa etária revela que é entre os 30 e 39 anos que se observa a maior frequência de negativados. Em dezembro, metade da população nesta faixa etária (50%) tinha o nome inscrito em alguma lista de devedores, somando um total de 17,08 milhões.

É na região Sudeste em que se concentra a maior quantidade de consumidores com contas em atraso, em termos absolutos: 24,9 milhões – número que responde por 38% do total de consumidores que residem na região. A segunda região com maior número absoluto de devedores é o Nordeste, que conta com 16,7 milhões de negativados, ou 41% da população. Em seguida, aparece o Sul, com 8,2 milhões de inadimplentes (37% da população adulta).

Já em termos proporcionais, destaca-se o Norte, que, com 5,4 milhões de devedores, possui 46% de sua população adulta incluída nas listas de negativados, o maior percentual entre as regiões pesquisadas. O Centro-Oeste, por sua vez, aparece com um total de 5,0 milhões de inadimplentes, ou 43% da população.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!