Produção industrial avança em oito locais pesquisados em novembro – Jornal do Comércio

A produção industrial subiu em oito dos 14 locais pesquisados de outubro para novembro, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, informou, nesta quinta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os destaques foram Espírito Santo, que registrou alta de 5,8% nessa comparação com ajuste sazonal, Bahia ( 3,5%), Pernambuco ( 2,6%) e Minas Gerais ( 2,4%).

Em contrapartida, Amazonas, Rio de Janeiro e Ceará tiveram taxas negativas em novembro, de 3,7%, 2,9% e 2,3%, respectivamente.

No geral, a indústria brasileira subiu 0,2% em novembro contra outubro, 4,7% na comparação com igual mês do ano anterior e 2,3% no acumulado do ano até novembro.

Segundo o IBGE, na comparação com novembro de 2016, a indústria subiu em 14 dos 15 locais pesquisados – sem ajuste sazonal, a série inclui Mato Grosso -, sendo as maiores altas dos estados de Goiás (17%) e do Pará (10,7%). Foram impulsionadas, principalmente, pelos avanços observados nos setores de produtos alimentícios (açúcar cristal, leite esterilizado/UHT/longa vida, óleo de soja refinado, leite em pó e carnes de bovinos congeladas, frescas ou refrigeradas), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (álcool etílico e biodiesel), e veículos automotores, reboques e carrocerias (automóveis), em Goiás; e de indústrias extrativas (minérios de ferro em bruto ou beneficiados), no Pará.

Na mesma comparação, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro também registraram taxas positivas acima da média nacional (4,7%), em alta de 8%, 7,1% e 5,6%, respectivamente. A única queda foi registrada pelo Rio Grande do Sul, de 0,2%, provocada pelo setor de máquinas e equipamentos.

Já no acumulado dos últimos 12 meses, o índice da indústria nacional subiu 2,2%, maior alta desde setembro de 2013 ( 2,3%), com taxa positiva em 12 dos 15 locais pesquisados, sendo as principais do Paraná ( 4,9%), de Santa Catarina ( 4,6%) e de Goiás ( 3,7%).

Representantes das empresas Rio do Sul e Scala assinaram protocolo de intenções com a prefeitura de Minas do Leão para a instalação de plantas no Distrito Industrial da cidade, com investimento inicial de R$ 1,35 milhão. Devem ser geradas em torno de 60 vagas de trabalho, com perspectiva de ampliação. “São negócios que vão alavancar a economia de Minas do Leão e de toda a região, movimentando o comércio e criando um ciclo de desenvolvimento”, disse o prefeito Miguel Almeida.

As empresas atuam na área florestal e são parceiras da CMPC Celulose Riograndense. Segundo o diretor da Rio do Sul, Paulo Roberto de Oliveira, serão investidos R$ 900 mil em Minas do Leão, compreendendo maquinário, equipamentos, veículos e edificações para os serviços de carregamento de madeira, terraplanagem e transporte. A previsão é que 20 empregos sejam criados.

Já a Scala, que auxiliará Celulose Riograndense no transporte de madeira, investirá R$ 450 mil em até seis meses após ter sua área de instalação liberada. De acordo com o sócio-administrador da empresa, Valmor Scapini, cerca de 40 postos de trabalho deverão ser gerado no início das operações.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!