Boliviano nega manipulação no Banco Mundial – Jornal do Comércio

O economista que foi responsável por elaborar um ranking de competitividade do Banco Mundial que agora está sendo questionado pela entidade negou que tenha havido manipulação dos critérios para prejudicar o Chile, minimizando denúncia feita pelo economista-chefe da instituição, Paul Romer.

“Todo o processo foi realizado em um contexto de transparência e abertura”, afirmou o economista boliviano Augusto López-Claros, em declarações publicadas no domingo pelo jornal chileno El Mercurio.

López-Claros, que é ex-professor na Universidade do Chile, foi enredado na polêmica após Romer afirmar que a metodologia do estudo Doing Business foi alterada em diversas ocasiões, prejudicando o Chile, por razões aparentemente políticas. As alterações teriam provocado a queda do país no ranking durante o governo da socialista Michelle Bachelet.

López-Claros, que foi responsável pelo ranking desde 2011, mas está num ano sabático, descartou orientação política nos resultados. Ele explicou que a queda do Chile se deveu a investimentos menores e ao fato de sua legislação ter “uma série de características que incorporam restrições contra as mulheres”.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!