Indústria gaúcha tem alta de 1,5% nas exportações de 2017 ante ano anterior – Jornal do Comércio

A indústria de transformação do Rio Grande do Sul terminou 2017 com aumento disseminado, mas pequeno em suas exportações, alcançando alta de 1,5% em relação a 2016 e totalizando US$ 12,6 bilhões. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (15), por meio de nota da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). Em 2016, as vendas externas do setor caíram 2,3%.

As exportações totais no ano passado somaram US$ 17,8 bilhões, o que representa uma alta de 7,3% em relação a 2016. Esse avanço foi impulsionado pelo comportamento dos produtos básicos, que praticamente igualaram o recorde de 2013 da série histórica, ao embarcarem US$ 5,1 bilhões. A soja foi o principal destaque, com incremento de 22,8%.

Ao elevar suas compras por produtos gaúchos em 32,3%, o Mercosul foi a região que mais contribuiu para o aumento da demanda na indústria do Rio Grande do Sul. O principal importador foi a Argentina, com um incremento de 43,8% (um total de US$ 1,87 bilhão). Os demais países da América Latina que não integram essa área de livre comércio também ampliaram suas compras de maneira considerável: 12,3%.

“A elevação da demanda externa do Mercosul e dos demais países da América Latina, favorecida pelo cenário internacional positivo, foi fundamental para gerar esse crescimento. O resultado, no entanto, devolve apenas uma pequena fração das perdas sofridas pelo nosso setor nos últimos anos. Precisamos crescer 23,9% para retomar o nível que havíamos conquistado em 2011″, explica o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry.

Das 24 categorias que registraram alguma operação de venda para o exterior no ano passado, 15 finalizaram em alta, oito caíram e uma manteve-se estável. As principais contribuições positivas para o setor secundário vieram de Veículos automotores, reboques e carrocerias (40,9%). Ao registrar o melhor ano de toda a série histórica, iniciada em 1996, embarcou US$ 1,44 bilhão. Químicos também se mostrou um setor de destaque, com elevação de 13,7%. Outros equipamentos de transporte, em função da ausência de exportações de plataformas de petróleo em 2017, ocorridas em 2016, caiu 94,6%. Celulose e papel e Alimentos recuaram 23,4% e 2,5%, respectivamente, em 2017.

No ano passado, as importações totais chegaram a US$ 9,9 bilhões, avanço de 19,4%. Na separação das mercadorias por categoria de uso, todos os subgrupos avançaram, especialmente Bens intermediários (16,6%), Bens de consumo (39,7%) e Combustíveis e lubrificantes (20,3%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!