Premiê da Escócia defende permanência em mercado comum – Exame

Sturgeon fez a declaração na apresentação de um relatório que analisa as consequências que o “Brexit” poderia ter sobre a população da Escócia

Por EFE

access_time 15 jan 2018, 16h08

Edimburgo – A ministra principal da Escócia, a nacionalista Nicola Sturgeon, disse nesta segunda-feira que permanecer no mercado único é a melhor opção para diminuir o impacto sobre a economia após a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Sturgeon fez estas declarações na apresentação de um relatório que analisa as consequências que o “Brexit” poderia ter sobre a população, o emprego e o investimento na Escócia.

“Se a economia, os padrões de vida e o investimento são as nossas prioridades, permanecer no mercado comum é absolutamente essencial para minimizar o dano de abandonar a UE”, sublinhou.

O documento mostra “os únicos três cenários realistas” que podem ocorrer após o “Brexit”, segundo explicou, confessando que “nenhuma destas opções é tão boa como continuar na UE”.

“O primeiro é permanecer no mercado comum, o segundo alcançar um acordo comercial livre similar ao qual a UE mantém com o Canadá e o terceiro seria recorrer aos termos da Organização Mundial do Comércio, a opção conhecida como a do não acordo”, especificou.

Caso não alcance um pacto comercial com Bruxelas, o relatório recolhe que o Produto Interno Bruto (PIB) da Escócia reduziria 8,5% para 2030, o que equivaleria a uma perda de 12,7 bilhões de libras por ano (14,3 bilhões de euros) ou de 2,3 mil libras (2,6 mil euros) por habitante.

O poder aquisitivo cairia também 9,6% e o investimento econômico seria 10,2% menor.

Por outro lado, se ficasse assegurada a continuidade no mercado único, a queda do PIB seria de 2,7%, equivalente a uma perda de 4 bilhões de libras (4,5 bilhões de euros) e de cerca de 700 libras (786 euros) por pessoa.

O poder aquisitivo também cairia 1,4% e o investimento econômico seria 3% menor.

“Os dados refletem que permanecer no mercado comum não nos livraria dos custos de deixar a UE, mas os minimizaria”, insistiu Sturgeon.

Com relação à segunda fase de negociações entre Londres e Bruxelas, pediu ao Executivo da primeira-ministra, Theresa May, que “deixe de ser dirigido pelas fixações da ala conservadora a favor do brexit ”duro” e coloque adiante” a criação de postos de trabalho, a manutenção dos padrões de vida e as oportunidades para esta e as gerações futuras”.

A ministra principal escocesa também se referiu à postura adotada pelo líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbin, que, a seu julgamento, descartou defender que o país siga no mercado único quando deixar a UE.

Sturgeon assegurou que há uma maioria fora do partido conservador a favor da permanência no mercado comum, mas apontou que o mais importante é conseguir convencer Corbyn que deixe “a ridícula posição” que adotou e com a qual está tentando “deliberadamente de confundir as pessoas”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!