R$ 9 trilhões: o preço para o Brasil resolver sua infraestrutura – Exame

Em 2017, o Brasil investiu em infraestrutura menos do suficiente para repor o que estraga com o tempo

access_time 15 jan 2018, 18h00

São Paulo – A economia do Brasil voltou a crescer em 2017, mas é difícil encontrar boas notícias quando o assunto é infraestrutura.

Apenas 1,4% do PIB, ou 87 bilhões de reais, foram investidos no setor – a pior taxa da história e insuficiente sequer para repor a depreciação do que já existe.

Os números foram divulgados nesta segunda-feira (15) pelo Infra2038, projeto quer colocar o Brasil entre os 20 melhores países no pilar de infraestrutura do ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial até 2038.

É um desafio e tanto: como estamos hoje no 72º lugar, precisaríamos subir no mínimo 52 posições em 20 anos para chegar ao objetivo.

“Investir em infraestrutura gera um círculo tão virtuoso que é difícil compreender por que ficamos tão para trás nas últimas décadas”, diz Diogo Mac Cord de Faria, coordenador do projeto, em artigo para EXAME.

O cálculo do infra2038 é que precisaremos investir R$ 8,7 trilhões nos próximos 20 anos, dividido em 37% para ferrovias, rodovias ferrovias, portos e aeroportos, 27% para energia elétrica, 16% para telecomunicações, 11% para saneamento e 9% para mobilidade urbana.

Isto seria suficiente para mais do que dobrar nosso estoque atual de infraestrutura, de 36% do PIB (2,3 trilhões de reais) para 77% do PIB (ou 7,4 trilhões de reais).

O objetivo é que em 2038, já considerando o crescimento da economia até lá, o país esteja investindo 6,5% do PIB em infraestrutura todo ano. Parece muito, mas é o que o país investia nos anos 70.

A recomendação do relatório é que 2018 e 2019 sejam dedicados a novos projetos e estudos que viabilizam novas concessões a partir de 2020, já que o dinheiro público não será suficiente.

Todos os setores deverão aumentar o investimento, mas alguns terão que acelerar mais rápido do que os outros: é o caso de mobilidade urbana e ferrovias.

“Não haverá setores ‘ganhadores’ e ‘perdedores’, já que estamos tão atrasados em nossa infraestrutura que haverá espaço para todos os setores avançarem de forma significativa”, diz o relatório, que promete refinar os números em documentos posteriores.

No mês de dezembro, o projeto foi debatido em um evento em São Paulo com vários especialistas do setor.

Incerteza regulatória, gestão e financiamento foram citados como obstáculos que precisam ser equalizados para viabilizar as metas de investimento em infraestrutura no país.

O relatório do infra2038 inclui, por exemplo, uma compensação pela baixa produtividade brasileira na comparação internacional.

Os números de estoque incluem um prêmio de 25% para ajustar pela baixa eficiência da construção civil brasileira e a necessidade de se aproximar da fronteira tecnológica dos diferentes setores.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!