Taxas futuras de juros recuam com dólar, apesar do IBC-BR mais alto em novembro – Jornal do Comércio

Os juros futuros operam em baixa no início dos negócios desta segunda-feira (15) na esteira do dólar fraco ante o real e no exterior, a despeito do avanço do IBC-BR em novembro de 2017, que está em segundo plano.

Segundo um operador de juros, os investidores estão à espera do julgamento da apelação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 24 de janeiro, e avaliam as chances de a reforma da Previdência passar na Câmara dos Deputados no dia 19 de fevereiro.

Neste domingo (14) o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou, em Nova Iorque, que é “viável” a aprovação da reforma da Previdência em fevereiro. “É viável, porque cinco governadores já não pagaram décimo terceiro (salário), e se a situação continuar vai aumentar isso”, destacou Maia em conversa com jornalistas. Ele ressaltou, no entanto, que aprovar a reforma da Previdência em fevereiro não será uma tarefa fácil.

Lá fora, a moeda norte-americana recua ante a maioria das divisas nesta manhã, pressionada pela baixa liquidez devido a um feriado nos Estados Unidos, que mantêm os mercados fechados. Pesa também forte alta do euro e sinalizações de possíveis retiradas de estímulos por bancos centrais como o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco do Japão (BoJ), o que fez o iene atingir o maior nível desde 15 de setembro.

Às 9h45min desta segunda, o contrato de DI para janeiro de 2019 estava em 6,915%, ante 6,925% no ajuste de sexta-feira (12). O contrato de DI para janeiro de 2021 caía a 8,860%, de 8,89% no ajuste de sexta. O DI para janeiro de 2023 estava em 9,62% ante 9,64% no ajuste anterior.

No câmbio, o dólar à vista caía 0,35% neste mesmo horário, aos R$ 3,1957. No mercado futuro, o dólar para fevereiro recuava 0,34%, aos R$ 3,2025. No exterior, o índice DXY do dólar recuava 0,52%, enquanto a divisa americana caía a 110,67 ienes, o euro subia a US$ 1,2256 e a libra avançava a US$ 1,3774.

O IBC-Br de novembro subiu 0,49%, ante 0,37% em outubro, ficando acima da mediana das estimativas (0,43%) e dentro do intervalo das previsões (resultado zero a crescimento de 0,80%).

Na comparação entre os meses de novembro de 2017 e novembro de 2016, houve alta de 2,83% na série sem ajustes sazonais – também acima do apontado pela mediana (+2,65%) das previsões de analistas do mercado (+1,70% a +4,05% de intervalo). O patamar de 136,48 pontos é o melhor para meses de novembro desde 2014 (144,92 pontos).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!