Bolsas da Europa fecham mistas, com Brexit, Alemanha e moedas no radar – Jornal do Comércio

Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta terça-feira sem direção única, à medida que os investidores ponderaram tensões políticas no continente com o enfraquecimento do euro e da libra. O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em leve alta de 0,01% (+0,04 ponto), aos 397,87 pontos.

O retorno dos negócios em Nova York trouxe parcialmente de volta a liquidez, que estava baixa na segunda-feira devido ao feriado de Martin Luther King nos Estados Unidos. Em solo americano, o índice Dow Jones ultrapassou a marca inédita dos 26 mil pontos logo após a abertura, mas perdeu um pouco de força, o que motivou um ajuste de posições na Europa poucos minutos antes do fim do pregão.

Nesta terça-feira, o dólar mostrou leve recuperação ante libra e euro, após o índice DXY, que mede a moeda americana ante uma cesta de outras seis divisas principais, ter atingido o menor nível desde janeiro de 2015. As mínimas do euro na comparação com o dólar têm nome e sobrenome: Banco Central Europeu (BCE). Após ter subido nos últimos dias com uma sinalização “hawkish” de que a instituição poderia revisar suas políticas já no primeiro semestre deste ano, a moeda única pausou esse movimento em meio a relatos de que é improvável que o BCE abandone a promessa de continuar comprando bônus na reunião de política monetária da próxima semana.

Não à toa, o movimento dos juros dos títulos europeus seguiu a queda do euro: o juro do OAT francês de 10 anos caiu de 0,865% na segunda-feira, para 0,838%; o retorno do Bund de 10 anos recuou de 0,525% para 0,499%; e o yield do BTP italiano de 10 anos cedeu de 1,998% para 1,967%.

Além disso, a política na Alemanha volta ao radar, após a imprensa do país noticiar que o líder do Partido Social-Democrata (SPD, na sigla em alemão), Martin Schulz, está enfrentando dificuldades em convencer outros membros da sigla a apoiar a coalizão com o bloco conservador da chanceler Angela Merkel. Apesar disso, o índice DAX, da bolsa de Frankfurt, fechou em alta de 0,35%, aos 13.246,33 pontos. Entre as montadoras, a Daimler subiu 0,50% e a Volkswagen avançou 2,35%.

Ainda na Alemanha, a Destatis informou que o índice de preços ao consumidor do país subiu 0,6% em dezembro na comparação com o mês anterior, em linha com os dados preliminares e com as estimativas do mercado. Na comparação anual, o avanço foi de 1,7%.

Já no Reino Unido, a inflação anual desacelerou para 3,0%, após ter registrado 3,1% em novembro, no maior nível desde março de 2012, de acordo com dados do Escritório Nacional de Estatísticas (ONS). O resultado veio em linha com as previsões de analistas consultados pelo Wall Street Journal. O juro do Gilt de 10 anos recuou de 1,326% ontem para 1,305%.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em baixa de 0,17%, aos 7.755,93 pontos. O viés negativo teve como catalisador a nova rodada de incertezas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), além de questionamentos sobre a Carrilion, gigante construtora britânica que entrou em liquidação compulsória na segunda-feira.

Nesta terça, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, deixou as portas abertas para o país recuar da decisão de deixar o bloco, trazendo à tona discussões na imprensa britânica sobre a possibilidade de uma nova votação sobre o Brexit. Do lado britânico, o secretário de Relações Exteriores, Boris Johnson, deu entrevista garantindo que o país terá ainda mais dinheiro para gastar em serviços públicos do que os 350 milhões de libras por semana prometidos pelos Brexiteers (defensores da separação) depois que o país sair do bloco comum. Além disso, a Câmara dos Comuns discute medidas mais flexíveis sobre o Brexit, apresentadas pelo governo na semana passada. Entre esta terça e quarta-feira, os parlamentares apreciam o material e, posteriormente, o documento será avaliado pela Câmara dos Lordes.

Em Paris, o índice CAC-40 fechou em alta de 0,08%, aos 5.513,82 pontos, apesar da queda de ações de bancos, como BNP Paribas (-0,77%) e Société Générale (-0,59%). Já em Milão, dúvidas sobre as eleições na Itália fizeram com que o índice FTSE-Mib recuasse 0,21%, aos 23.495,28 pontos.

Na bolsa de Madri, o Ibex-35 encerrou o dia em alta de 0,51%, aos 10.520,40 pontos. Já o índice PSI-20, da bolsa de Lisboa, perdeu 0,13%, aos 5.613,58 pontos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!