FGV: IPC-S deve fechar mês com alta de 0,70%, quase a mesma de janeiro de 2017 – Jornal do Comércio

O grupo Alimentação deve continuar acelerando e, juntamente com a classe de despesa de Educação, deixar o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) deste mês mais pressionado, afirma o coordenador do indicador da Fundação Getulio Vargas (FGV), Paulo Piccheti.

A expectativa do economista é que o IPC-S encerre janeiro com alta de 0,70%, bem inferior à de 0,21% apurada em dezembro do ano passado, mas praticamente igual à de 0,69% registrada em janeiro de 2017. “Mas há diferença de composição na projeção deste mês em relação ao resultado de janeiro do ano passado. Naquela ocasião, o grupo Alimentação fechou em 0,39%, já iniciando a trajetória favorável”, relembra Picchetti.

Além do quadro benigno nos preços alimentícios, Picchetti completa que o grupo serviços (2,50%) e os preços administrados (1,17%) estavam mais pressionados do que agora na segunda quadrissemana (últimos 30 dias terminados na segunda-feira).

“A taxa de administrados está menos da metade, em 0,50%, e energia deve ajudar, já que as chuvas estão ajudando e a bandeira tende a continuar verde”, diz. De acordo com Picchetti, o alívio na conta de luz por causa da bandeira verde que não tem custo extra deve praticamente compensar o impacto dos reajustes e tarifas de transporte público recentemente.

Segundo o economista, embora a estimativa seja de avanço em serviços por causa de Educação, estima que os gastos escolares de 2018 devem ficar aquém dos últimos três anos. Na segunda quadrissemana, o grupo serviços atingiu 0,81% e a expectativa de Picchetti é que a variação em Educação fique na faixa de 8,00%, 9,00%. “Nos últimos três anos, houve aumento em torno de 10%. Agora, deve ficar menor.”

O cenário dos preços de alimentos em janeiro de 2017, de fato, destoa do visto neste início do ano. Depois de encerrar com variação positiva de 0,27% em dezembro do ano passado, a classe de despesa de Alimentação acelerou a velocidade de elevação para 0,60% na primeira leitura de janeiro e avançou a 0,93% na segunda medição. “Quase toda a aceleração do IPC-S, de 0,31% na primeira quadrissemana, para 0,47% na segunda é explicada por alimentos e Educação (de 0,47% para 1,04%)”, afirma.

Dentre os produtos alimentícios que mais pressionaram o IPC-S da segunda leitura de janeiro estão os in natura, sobretudo hortaliças e legumes, cuja taxa passou de 3,25% para 10,18%, no segmento, destaque para tomate (de 10,19% para 26,69%), batata (de 6,69% para 12,81%) e alface (de 0,40% para 4,53%). “Muito provavelmente devem continuar puxando o IPC-S para cima”, estima.

Nas pesquisas mais recentes da FGV, o tomate já está 50% mais caro, enquanto os preços da batata e da alface estão com aumento em torno de 20% e de 10%, respectivamente, adianta Picchetti. “Os alimentos estão começando o ano com alta em razão das chuvas, refletindo alguma questão relacionada à oferta”, avalia.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!