IPC-S sobe 0,47% na 2ª quadrissemana de janeiro, diz FGV – Jornal do Comércio

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) subiu de 0,31% na primeira quadrissemana de janeiro para 0,47% na segunda leitura do mês, informou nesta terça-feira (16) a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Das oito classes de despesas analisadas, seis apresentaram acréscimo nas taxas: Alimentação (0,60% para 0,93%), Educação, Leitura e Recreação (0,47% para 1,04%), Habitação (-0,23% para -0,17%), Transportes (0,71% para 0,84%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,43% para 0,45%) e Comunicação (0,12% para 0,22%).

Em contrapartida, dois grupos registraram desaceleração no período: Vestuário (-0,10% para -0,27%) e Despesas Diversas (0,28% para 0,15%).

A elevação do grupo Alimentação foi a principal responsável pela aceleração do IPC-S. O grupo subiu de 0,60% para 0,93% no período, influenciado pelo item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de 3,25% para 10,18%.

Dentre os outros grupos que apresentaram acréscimo nas taxas no período, os cursos formais (1,19% para 2,60%), pressionados pelos aumentos típicos de mensalidades no mês, foram a principal contribuição para o avanço de Educação, Leitura e Recreação, conforme a FGV. Já a deflação mais amena de tarifa de eletricidade residencial (-2,38% para -1,93%) foi o principal componente para a taxa maior em Habitação.

Além disso, tarifa de ônibus urbano (-0,52% para 0,33%) foi o destaque de alta de Transportes, enquanto protetores para a pele (-1,72% para -0,68%) elevaram o grupo Saúde e Cuidados Pessoais e tarifa de telefone residencial (-0,30% para 0,07%) influenciou o aumento de Comunicação.

Por outro lado, roupas (-0,14% para -0,63%) provocaram queda mais intensa em Vestuário e alimentos para animais domésticos (2,67% para 2,01%) aliviaram o segmento de Despesas Diversas.

Individualmente, os itens que mais contribuíram para a elevação do IPC-S da primeira leitura de janeiro para a segunda medição do mês foram gasolina (1,72% para 2,10%), tomate (10,19% para 28,69%), plano e seguro de saúde (que manteve a taxa de 0,95%), curso de ensino fundamental (1,37% para 3,40%) e etanol (apesar da desaceleração de 2,67% para 2,55%).

Já os itens que mais influenciaram a baixa do indicador neste período foram tarifa de eletricidade residencial (mesmo com a deflação menor, de -2,38% para -1,93%), show musical (-0,82% para -3,21%), condomínio residencial (a despeito da taxa maior, de -0,64% para -0,59%), seguro obrigatório para veículo (0,00% para -25,07%) e carne moída (-2,67% para -3,16%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!