Petróleo fecha em baixa com movimento de realização de lucros – Jornal do Comércio

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta terça-feira (16), em um movimento de realização de lucros após fortes ganhos recentes.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para fevereiro encerrou o dia em queda de 0,88%, a US$ 63,73 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do Brent para março recuou 1,57%, a US$ 69,15.

Na segunda-feira, o Brent fechou acima de US$ 70 por barril pela primeira vez desde dezembro de 2014, ajudado pela depreciação do dólar americano. Uma moeda mais fraca nos EUA torna o petróleo menos caro para investidores que operam em outras divisas, geralmente fortalecendo os preços da commodity à medida que o dólar cai. O recente rali foi impulsionado pelo aperto nos estoques da commodity após mais de um ano de corte na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de outros dez grandes produtores, juntamente com uma demanda inesperadamente forte e outras interrupções imprevistas no fornecimento.

Como resultado, vários bancos elevaram as projeções para os preços do petróleo neste ano. O Bank of America Merryl Lynch acredita que o Brent deve encerrar o ano em US$ 64 por barril, enquanto a previsão anterior era de US$ 56. Já o Société Générale prevê que o barril do Brent chegue ao fim de 2018 cotado a US$ 62, acima do nível de US$ 58 previsto anteriormente.

Ainda assim, os analistas do banco francês advertiram que acreditam que os preços devem cair dos níveis atuais. “Nossa visão é que os preços superaqueceram e devem enfrentar uma correção em breve”, disseram os analistas. “Acreditamos que a situação atual não é sustentável. Todas as três pernas que sustentam o mercado de petróleo têm fatores temporários.”

O movimento baixista desta terça-feira foi, em grande parte, influenciado por uma realização de lucros após vários dias de ganhos, disseram analistas. Além disso, os agentes estão se perguntando se as semanas de declínio no volume estocado de petróleo nos EUA poderiam ser interrompidas à medida que os refinadores começam a manutenção anual, reduzindo o apetite por óleo bruto.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!