Venezuela obriga comerciantes a adotar preços de dezembro – Exame

A Venezuela entrou no fim do ano passado em um quadro de hiperinflação e fechou 2017 com uma inflação de mais de 2.600%

Por EFE

access_time 16 jan 2018, 18h21

Caracas – O vice-presidente da Venezuela, Tareck El Aissami, anunciou nesta terça-feira que o governo obrigará as empresas do país a reduzir os preços e voltar a adotar os valores cobrados pelos produtos em dezembro.

“No dia 3 de janeiro, os preços amanheceram inflados. Os preços que os senhores colocaram são criminosos, brutais e sem justificação”, disse El Aissami em um encontro com representantes das principais indústrias do país.

A Venezuela entrou no fim do ano passado em um quadro de hiperinflação e fechou 2017 com uma inflação de mais de 2.600%, de acordo com dados da Assembleia Nacional, controlada pela oposição e declarada sem funções pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).

El Aissami ressaltou que o governo não aceitará “especulações” e disse ter pedido à Superintendência Nacional para a Defesa dos Direitos Socioeconômicos (Sundde) para aplicar “todo o peso da lei” às empresas que não respeitem a nova política de preços.

Desde novembro do passado, a Sundde fiscalizou diversas lojas em todo o país. Os fiscais, acompanhados de agentes da Polícia e da Guarda Nacional, obrigaram os comerciantes a baixar os preços de alguns dos produtos vendidos por eles.

Essas quedas forçadas de preço provocaram longas filas e tumultos em lojas de todo o país. Supermercados e outros estabelecimentos ficavam vazios após os descontos, enquanto algumas associações de empresários alertavam o governo sobre a possibilidade de fechamento de algumas empresas por causa das perdas com os preços baixos.

O governo da Venezuela diz ser vítima de uma “guerra econômica” promovida pelos Estados Unidos, o sistema financeiro internacional, a oposição, além de comerciantes e empresários “especuladores”. Eles seriam a causa da hiperinflação e da crise econômica no país.

Economistas independentes, por outro lado, atribuem a inflação elevada ao controle no câmbio, à destruição da indústria local e à emissão descontrolada de dinheiro por parte do Banco Central da Venezuela.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!