Bolsas de Nova Iorque renovam recordes; Dow Jones fecha acima dos 26 mil pontos – Jornal do Comércio

Os mercados acionários americanos dissiparam o movimento baixista do dia anterior e deram prosseguimento ao rali visto neste início de ano, ao apresentarem forte avanço nesta quarta-feira (17) com o Dow Jones encerrando o dia acima da marca dos 26 mil pontos pela primeira vez na história.

O índice Dow Jones fechou em alta de 1,25%, aos 26.115,65 pontos; o S&P 500 ganhou 0,94%, aos 2.802,56 pontos; e o Nasdaq subiu 1,03%, aos 7.298,28 pontos. Com esse resultado, os três indicadores renovaram máximas históricas de fechamento.

O Dow Jones apresentou seu melhor resultado nos primeiros dez dias do ano desde 2003, ajudado por sinais de uma economia global acelerada. Alguns investidores disseram esperar um cenário econômico favorável e ganhos para continuar a comprar ações à medida que o ano avança. “É uma história baseada no crescimento. Enquanto os dados são bons, ninguém está vendendo. E os dados ainda são bons”, comentou o estrategista-chefe da Kempen Capital Management, Roelof Salomons.

Nesta quarta-feira, a política em Washington novamente deu as cartas nas bolsas em Nova York. A possibilidade de uma paralisação do governo federal americano foi parcialmente dissipada pelo presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan. Na noite de terça-feira, ele começou a costurar um acordo com republicanos para elevar o teto da dívida dos EUA e manter o financiamento ao governo até 16 de fevereiro. Com a nova medida paliativa, os republicanos ganhariam ainda mais tempo para tentar um acordo em relação à reforma imigratória com os democratas.

Vale lembrar que os democratas colocaram como condição para apoiar o financiamento ao governo a proteção a jovens imigrantes da deportação. Enquanto isso, os republicanos desejam a construção de um muro na fronteira com o México.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse que o governo de Donald Trump apoia um acordo de curo prazo para estender o teto da dívida e evitar uma paralisação da máquina federal. “Preferimos que se chegue a um acordo de orçamento para o ano fiscal todo, mas apoiamos uma medida de curto prazo”.

As techs voltaram a mostrar bom desempenho, com o subíndice de tecnologia do S&P 500 liderando os ganhos entre os outros segmentos do índice acionário, com alta de 1,58%. Entre as ações de destaque, a IBM subiu 2,93%, após o Barclays ter elevado a recomendação da companhia de underweight (abaixo da média do mercado) para overweight (acima da média do mercado). Já a Apple avançou 1,65% após a empresa ter informado que pretende repatriar US$ 38 bilhões neste ano e que irá investir US$ 350 bilhões para a economia do país.

Os investidores também observaram balanços corporativos referentes ao quarto trimestre do ano passado. As mudanças no sistema de impostos dos EUA continuaram a atingir diversas instituições financeiras com alguns encargos únicas. O Bank of America fechou em baixa de 0,19%, após ter informado que seu lucro foi prejudicado por uma cobrança de US% 2,9 bilhões relacionada à nova lei tributária. Já o Goldman Sachs cedeu 1,86% depois de registrar seu primeiro prejuízo líquido em seis anos, embora o lucro ajustado, excluindo a cobrança referente à reforma nos impostos, tenha sido melhor do que a previsão dos analistas.

Ainda no ramo corporativo, os papéis da Ford despencaram 7,02% depois que a montadora disse esperar lucro operacional menor em 2018.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!