Dólar desacelera após bater máxima com incertezas nos EUA e Brasil – Jornal do Comércio

O dólar desacelerou o ganho, após tocar na máxima intraday ao R$ 3,2384 no mercado à vista na manhã desta quarta-feira (17). O operador de câmbio da corretora Fair Hideaki Iha diz que o dólar passa por correção de alta, após quedas recentes ante o real, pressionado pelo viés positivo no exterior em meio a incertezas políticas nos Estados Unidos.

Aqui, segundo ele, traz pressão a possibilidade de a reforma da Previdência não passar no Congresso neste ano e também “não é notícia boa” a informação trazida pela investigação independente contratada pela Caixa, que cita um e-mail do gabinete do então vice-presidente da República, Michel Temer, para o vice-presidente afastado do banco Roberto Derziê.

“Conforme contato telefônico, segue o pleito para Superintendente Regional de Ribeirão Preto-SP”, diz a mensagem assinada com: “atenciosamente, Michel Temer.”

Para Iha, a menos que surja algo pior envolvendo o presidente Michel Temer, a notícia sobre ingerência política do PMDB na Caixa não é novidade, “todo mundo sabe disso”. Às 10h20, o dólar à vista subia 0,30%, aos R$ 3,2369. No mercado futuro, o dólar para fevereiro estava em alta de 0,37%, aos R$ 3,2430, após tocar em máxima aos R$ 3,2450.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!