Governo diverge sobre barreira ao aço importado da China e da Rússia – Jornal do Comércio

Dois estudos produzidos pelo governo divergem sobre os efeitos da proteção à indústria brasileira do aço contra concorrentes importados de China e Rússia. Os oito ministros que compõem a Camex (Câmara de Comércio Exterior, cuja coordenação está ligada ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o Mdic) darão a palavra final sobre a barreira amanhã.

A decisão, que colocou em lados opostos as siderúrgicas e os consumidores de aço no Brasil, como os fabricantes de eletrodomésticos e de carros, também divide o governo. Estudo elaborado pelo núcleo econômico da Camex afirma que a proteção teria impacto levemente positivo na produção doméstica de aço (0,05%) e efeito quase nulo sobre a inflação (0,0008% sobre o nível de preços interno). O aço em discussão (laminados a quente) ficaria 0,14% mais caro no Brasil.

O diagnóstico diverge do previsto pelo Ministério da Fazenda. Estudo da secretaria de acompanhamento econômico mostra que o impacto sobre a inflação seria maior (0,09%), fazendo com que eletrodomésticos ficassem até 3% mais caros.

Ambos os documentos afirmam que os importados são parte reduzida do consumo nacional de aço e que a queda da produção doméstica – um dos fundamentos do pedido de proteção feito pelas siderúrgicas – se deve à redução da demanda interna, com a recessão.

No estudo da Fazenda, durante o período sob avaliação (2013-2015), a produção recuou 11%, e a importação, 5,6%. Em outras palavras, a queda da produção não tem a ver com uma “concorrência desleal de importados”, necessário para justificar uma barreira antidumping.

Além disso, dado o nível de concentração elevado da produção local em quatro siderúrgicas (ArcelorMittal, CSN, Gerdau Açominas e Usiminas), haveria espaço para que elas aumentassem preços em um contexto de recuperação da economia. Isso penalizaria toda a cadeia de consumidores da matéria-prima. Já no documento produzido pela Camex, a baixa participação do aço importado no consumo local indica que a barreira contra China e Rússia teria efeito praticamente nulo sobre a cadeia que depende do aço.

Indústrias metalúrgicas, de máquinas, equipamentos de transporte, produtos de metal, veículos, entre outros, sofreriam, porém, encolheriam apenas 0,0004% com o aço mais caro. Já as importações, sim, recuariam 16% – China e Rússia reduziriam as vendas ao Brasil em mais de 50%.

O documento, no entanto, não sugere uma posição favorável à proteção ou indica votos aos ministros que compõem a Camex, formada por Fazenda, Planejamento, Agricultura, Transportes, Casa Civil, Secretaria-Geral da Presidência, Mdic e Itamaraty.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!