Juros fecham estáveis e não acompanham melhora de humor no câmbio e ações – Jornal do Comércio

Mesmo em meio ao movimento de renovação de máximas da bolsa e mínimas do dólar no mercado doméstico, os juros futuros pouco oscilaram durante a tarde e fecharam perto dos ajustes anteriores nesta quarta-feira (17). Profissionais da área de renda fixa afirmam que como a quarta-feira foi de noticiário esvaziado e agenda sem destaques não houve um catalisador firme para os negócios.

Com volume abaixo do padrão nesta sessão, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) fechou com taxa de 6,905% (máxima), de 6,900% no ajuste de terça, e a do DI para janeiro de 2020 passou de 8,05% para 8,06%. A taxa do DI para janeiro de 2021 terminou em 8,91%, de 8,89% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2023 fechou em 9,68%, de 9,67%.

Na última hora da sessão regular, houve um aumento de apetite pelo risco no exterior que elevou a demanda pelas ações e enfraqueceu o dólar. Os índices acionários em Nova York ampliaram os ganhos e o Ibovespa renovou as máximas, diante da possibilidade de um acordo entre parlamentares republicanos para estender temporariamente o teto da dívida dos Estados Unidos.

Segundo a agência Associated Press, o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, costura um acerto dentro do Partido Republicano para manter o governo americano em funcionamento até 16 de fevereiro. O nível atual do teto expira na sexta-feira, 19.

Perto das 16h30, o Ibovespa rompia mais um patamar histórico, o dos 81 mil pontos, ao bater a máxima de 81.000 (+1,46%), embalado pelos ganhos superiores a 3% das ações da Petrobras, além de avanço firme dos papéis do setor financeiro e da Vale.

O dólar à vista era negociado em R$ 3,2150 (-0,38%). Lá fora, o dólar também perdeu terreno ante as moedas fortes, como mostra a virada de sinal para o negativo do índice DXY, e também ante as divisas de países emergentes.

No mercado de juros, essa melhora de humor, no máximo, reduziu, ou apagou em alguns casos, o viés de alta com que alguns contratos vinham operando, colocando as taxas na estabilidade. “Estamos num cenário de baixas variações por causa da falta de notícias. Em janeiro o calendário está esvaziado, é um mês morto para o Congresso”, afirmou o estrategista de renda fixa da GS Research, Renan Sujii.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!