Petróleo fecha em alta à espera de dados dos EUA e com relatos sobre o Congo – Jornal do Comércio

À espera de dados sobre o volume estocado de petróleo nos Estados Unidos, os contratos futuros da commodity fecharam em leve alta nesta quarta-feira (17), após relatos envolvendo uma possível candidatura do Congo à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para fevereiro fechou em alta de 0,37%, a US$ 63,97 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do Brent para março avançou 0,33%, a US$ 69,38.

Após operarem durante boa parte do dia em baixa, os preços do petróleo passaram a subir, apoiados por relatos de que a República do Congo pretende se candidatar como membro da Opep. O cartel, aliás, divulga relatório mensal de energia na manhã desta quinta-feira.

Os investidores também aguardam o relatório semanal de estoques do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos EUA. Nas últimas semanas, o documento mostrou sucessivas quedas no volume estocado de petróleo em solo americano. Para esta semana, a S&P Global Platts espera que o DoE informe um declínio de 425 mil barris nos estoques da commodity, o que marcaria a nona baixa consecutiva.

Os preços do petróleo subiram mais de 3% neste ano, perto dos maiores níveis desde 2014, devido à turbulência geopolítica nas principais regiões produtoras e devido aos esforços da Opep e de outros produtores fora do cartel para reduzir a produção. A Opep e seus aliados concordaram, em novembro, em estender os cortes na oferta de petróleo até o fim deste ano, com uma revisão do acordo em junho.

“Você ainda tem a ação dos especuladores, que visam preços ainda mais altos, mas há a resistência de alguns produtores”, disse o diretor-gerente da empresa suíça Petromatrix, Olivier Jakob.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!