Temer, Doria e Meirelles vão a Davos vender um ‘novo’ Brasil – Jornal do Comércio

Com uma das maiores delegações dos últimos anos, o Brasil chega na semana que vem à cidade de Davos, na Suíça, na esperança de atrair investidores com o argumento de que há uma retomada da economia. Na programação, o Fórum Econômico Mundial colocou na agenda o debate: “Moldando a nova narrativa do Brasil.”

No dia 24 de janeiro, mesma data do julgamento do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, em Porto Alegre, o presidente Michel Temer apresenta sua agenda para 2018 em defesa da necessidade de reformas. O debate contará ainda com o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), com Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco, Candido Botelho Bracher, CEO do Itaú Unibanco, e Paul Bulcke, CEO da Nestlé.

“Brasil é um dos seis países latino-americanos realizando eleições presidenciais em 2018”, indica Davos, em seu programa. “Quais são as principais conquistas atuais e qual visão têm líderes regionais e globais para o Brasil no futuro?”, questiona a entidade. Davos destaca que, em março, o evento regional do Fórum será sediado em São Paulo, com o título: “A América Latina em um momento de virada”.

Temer ainda terá a ocasião de falar para os empresários internacionais na manhã do dia 24, inclusive respondendo a perguntas. Cuidadosamente agendado, o debate ocorre pela manhã, antes do julgamento de Lula, no Brasil. Essa será a primeira vez em quatro anos que um chefe de Estado brasileiro falará em Davos para a elite econômica mundial. A comitiva contará ainda com a presença do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e do presidente da Petrobras, Pedro Parente, entre outros.

Neste ano, o grande astro de Davos será o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que falará no dia 25 de janeiro. Sua presença vem causando polêmica e entidades suíças e mesmo políticos se organizam para pedir que o país não receba o presidente americano. Os organizadores do evento insistem que tem, como regra, convidar todos os chefes de governo dos países do G-20, independentemente de quem esteja no poder. Davos deve contar ainda com Emmanuel Macron, da França, e Narendra Modi, da Índia.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!