Cai percepção de piora dos negócios em 2017 – Jornal do Comércio

O percentual de comerciantes e empresários de serviços que notaram piora na situação financeira de seus negócios diminuiu de 48%, em 2016, para 30% em 2017, uma queda expressiva de 18 pontos percentuais em 12 meses. É o que revelou uma sondagem realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todas as capitais do País. A sondagem mostrou também que aumentou de 15% para 21% o volume de empresários que observaram um desempenho melhor no último ano na comparação com 2016. A situação permaneceu estável para 40% dos entrevistados.

Entre aqueles que melhoraram a performance de suas empresas ao longo do ano passado, 51% presenciaram resultados mais expressivos nas vendas, e 27% conseguiram ampliar a clientela. Há ainda 9% de varejistas que diversificaram os produtos ofertados.

Considerando aqueles que amargaram um ano pior para as finanças da empresa em 2017, mais da metade (51%) argumenta que não teve um bom resultado nas vendas, alternativa que em 2016 era ainda maior, 63% da amostra. Também são citados a diminuição da margem de lucro (34%) e o aumento da concorrência (24%).

Quando a análise se detém ao quadro macroeconômico do País como um todo, quatro em cada 10 (42%) empresários consultados acreditam que as condições gerais da economia pioraram em 2017, embora tenha havido uma queda de 20 pontos percentuais na comparação com a sondagem feita para 2016. Outros 35% não notaram mudança, ao passo que 14% acreditam em melhora, percentual que apresentou alta de cinco pontos percentuais.

“Foram quatro anos turbulentos, marcados por retração no investimento e no consumo, além de desemprego em disparada, queda nas vendas e um cenário político instável, contaminando todo o ambiente de negócios no País. Ao que parece, o empresário brasileiro começa a vislumbrar a possibilidade de uma retomada lenta e gradual dos negócios”, analisa a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

De acordo com a pesquisa, 56% dos empresários estão animados com a possibilidade de melhorar o desempenho de suas empresas neste ano, contra apenas 8% que se dizem desanimados e 27% que estão sem expectativa positiva ou negativa. Somente 6% acreditam na necessidade de realizar novas demissões.

A sondagem ainda mostrou que 28% dos empresários pretendem ampliar seus negócios neste ano, e 16% desejam lançar novos produtos ou serviços no mercado. No que diz respeito a tomada de crédito e realização de investimentos, somente 16% manifestam a intenção de adquirir equipamentos, e só 8% pensam em pegar empréstimos. Para driblar os efeitos da crise, que ainda persiste, 22% dos empresários vão priorizar pagamentos à vista em 2018 e 20%, reforçar a propaganda.

A pesquisa mostra que pouco mais de um terço (34%) dos empresários conseguiu realizar ao menos parte daquilo que se propôs no ano passado. Outros 25% não cumpriram seus objetivos. As principais conquistas foram aumentar as vendas (28%), comprar equipamentos (27%), reformar a empresa (26%) e investir em propaganda (22%).

Em sentido contrário, os planos não realizados foram, principalmente, fazer uma grande reforma (28%), aumentar vendas (24%) e comprar equipamentos (20%). E o principal motivo para aqueles que tiveram de desistir de seus projetos foi a falta de recursos financeiros, mencionada por 26% desses entrevistados.

 

Fazer ajustes no orçamento foi a saída de 40% dos entrevistados para enfrentar crise

Apesar do otimismo, 28% dos empresários consultados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) têm como principal temor a possibilidade de o País não sair da crise, seguido do resultado das eleições presidenciais (20%) e do risco de fechar a empresa (14%).

De modo geral, 40% dos empresários tiveram de fazer ajustes no orçamento ao longo de 2017, mas esse percentual também caiu frente a 2016, quando 48% tiveram de adaptar a empresa para tempos mais sombrios. Dentre essa parcela de empresários impactados pela crise, 52% reduziram funcionários, 28% diminuíram o consumo de água e luz, e 25% economizaram na conta de telefone.

Entre os que demitiram no ano passado, a média é de dois a três funcionários dispensados por empresa. No caso desses entrevistados, as alternativas encontradas pelos donos das empresas para seguir com a gestão do dia a dia foi redistribuir as atividades entre os demais membros da equipe (37%) ou até mesmo assumir pessoalmente as atividades que ficaram sem trabalhador (24%).

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a capacidade da adaptação do empresário tem sido fundamental para o Brasil. “O empresário brasileiro tem uma capacidade de resiliência muito forte. Em tempos difíceis, o empreendedor se vê obrigado a fazer sacrifícios, como baixar preços para lidar com a queda no consumo, ou até mesmo promovendo cortes de funcionários. No entanto são medidas paliativas e que não se sustentam no longo prazo. É precioso proporcionar um ambiente mais propício para os negócios, em que seja possível baixar custos e investir em inovação, aumentando a competitividade”, argumenta Pellizzaro Junior.

A sondagem revela que 15% dos empresários ouvidos admitem que ficaram vários meses com as contas da empresa no vermelho. Em 2016, esse percentual era maior, alcançando 22% dos empresários. “O endividamento é um grande obstáculo para qualquer empreendedor, porque diminui a capacidade de contratar crédito e expandir as atividades. Em alguns segmentos, o acesso ao crédito é fundamental para a sobrevivência da empresa”, diz a economista Marcela Kawauti.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!