Davos questiona alta das ações nas bolsas mundiais – Jornal do Comércio

Num momento em que mercados acionários de várias partes do mundo – inclusive no Brasil – registraram recordes de alta, o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, questionou ontem, em seu Relatório sobre Riscos Globais 2018, se a elevação dos preços dos ativos é sustentável. O documento lembra que, nos últimos oito anos, vem prevalecendo a tendência de alta nos pregões e teme que este possa ser outro episódio de “exuberância irracional”, numa sinalização de que as lições da crise financeira internacional de 2008 podem não ter sido totalmente absorvidas e que o ambiente possa se tornar propício a uma “correção profunda”.

O relatório cita que o Dow Jones teve alta de 25% no ano passado; o S&P 500 subiu 19%; a Bolsa de Hong Kong avançou 35%; a japonesa, 19%; a alemã, 11%; e a francesa, 8%. O Brasil não foi citado, mas registrou ganhos de 27% em 2017. No caso das bolsas norte-americanas, o fórum salienta que em apenas dois momentos as ações subiram mais do que agora, justamente antes de períodos de crise, em 1929 e 2000.

As avaliações em relação a títulos de dívida são ainda mais “dramáticas”. Em meados de 2017, cerca de US$ 9 trilhões desses papéis registraram rendimento negativo, e essa anomalia reflete o impacto dos enormes programas de compra de ativos lançados pelos bancos centrais na sequência da crise. O movimento, analisa o fórum, parece se divorciar da tendência dos preços dos ativos.

No caso de haver uma correção acentuada de mercado, conforme o documento, o impacto sobre a economia real seria indiscutivelmente maior em países mais expostos a setores e mercados nos quais as bolhas se formaram. Como exemplo, citou um país economicamente dependente das exportações de uma commodity, cujo valor pode desabar.

O documento menciona ainda que não são apenas os preços de ações e títulos que aumentaram recentemente e dá como exemplo o segmento imobiliário. “A inflação em todas essas classes de ativos tradicionais foi reduzida por ativos mais especulativos, como a moeda criptografada bitcoin, que viu seu valor aumentar cerca de 1.200% em 2017”, ilustrou.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!