Juros fecham com viés de alta, de olho em julgamento e com cautela externa – Jornal do Comércio

Os juros futuros fecharam mais uma vez perto dos ajustes anteriores, com viés de alta nos principais contratos, mesmo o dólar tendo se firmado em leve baixa. Apesar do noticiário desta quinta-feira, 18, ter trazido algumas boas notícias no âmbito interno, as taxas voltaram a oscilar entre margens estreitas, com o mercado em compasso de espera pelo julgamento do ex-presidente da República Luiz Lula da Silva, pessimista sobre a aprovação da reforma da Previdência em fevereiro e monitorando o noticiário político, que tem sido negativo para o governo nos últimos dias. No exterior, o clima também é de cautela, diante da possibilidade da paralisação da máquina pública nos Estados Unidos a partir de sábado.

No fim da sessão regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 subia de 6,905% no ajuste de quarta para 6,915% e a do DI para janeiro de 2020, de 8,06% para 8,10%. A taxa do DI para janeiro de 2021 fechou em 8,94%, de 8,91%, e a do DI para janeiro de 2023, em 9,69%, de 9,68%.

O mercado começou o dia com boas notícias, como o crescimento de 6,9% do Produto Interno Bruto (PIB) da China em 2017 e a queda de 5% do preço do GLP de uso residencial anunciada pela Petrobras, mas ainda assim as taxas passaram a manhã em alta moderada, pressionadas pela depreciação do câmbio e pelas operações de proteção que o mercado costuma fazer antes do leilão de títulos prefixados do Tesouro.

No final da etapa matutina, o dólar passou a cair e renovou mínimas após a notícia de que o Tesouro reabriu a emissão do Global 2047, mas as taxas só ensaiaram alívio no começo da tarde, passado o leilão de títulos da dívida interna, quando zeraram a alta nos vencimentos longos e renovaram as mínimas. No meio da tarde, no entanto, devolveram o movimento, enquanto o dólar, que tinha voltado a subir, se firmou em queda.

“O mercado de juros hoje não está espelhando fundamento”, disse o sócio-gestor da LAIC-HFM , Vitor Carvalho, complementando que “na medida em que vai se aproximando o dia 24, o mercado vai colocando as barbas de molho”. Naquela data, o Tribunal Regional Federal (TRF-4) vai julgar o recurso de Lula contra sua condenação em primeira instância, e, a depender do placar, ele pode ficar impedido de concorrer às eleições.

Nos demais ativos, o dólar à vista oscilava em baixa, aos R$ 3,2117 (-0,06%) às 16h28. O Ibovespa, neste horário, recuava 0,77%, aos 80.564,00, afetado por um movimento de realização de lucros, pela cautela com a proximidade do julgamento de Lula e pelas perdas nos índices acionários em Nova Iorque. O Dow Jones caía 0,39% e o S&P 500, 0,15%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!