Caixa: um novo estatuto para o banco de sempre? – Exame

ÀS SETE – Objetivo das novas regras é melhorar a governança do banco para protegê-lo de novos problemas com corrupção

Por EXAME Hoje

access_time 19 jan 2018, 07h33 – Publicado em 19 jan 2018, 06h25

Pressionada após o afastamento de quatro dos seus 12 vice-presidentes, a Caixa Econômica Federal terá nesta sexta-feira uma reunião extraordinária do conselho de administração para aprovar mudanças em seu estatuto.

O objetivo das novas regras é melhorar a governança do banco para protegê-lo de novos problemas com corrupção.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A Caixa, mais do que um braço econômico do governo para executar políticas públicas e garantir o pagamento de programas sociais, é também um braço político, que garante cargos aos aliados do governo. Atualmente, 11 das 12 vice-presidências da Caixa são ocupadas por indicados de sete partidos.

Uma investigação independente contratada pela Caixa encontrou evidências de que a disputa política por cargos no banco avançou também para outros setores, como diretorias e superintendências.

Entre as mudanças que devem ser aprovadas nesta sexta está a nomeação dos vice-presidentes, que deixará de ser uma responsabilidade do presidente da República para ser responsabilidade do conselho de administração da companhia.

Deverá haver um comitê de indicação que vai liderar a escolha dos nomes, em um processo parecido com companhias privadas.

Os candidatos terão que cumprir pré-requisitos técnicos que ainda não foram revelados.

A dúvida é se as medidas, que seguem a nova Lei das Estatais e que já vinham sendo estudadas antes do afastamento dos executivos, serão efetivas ou apenas para “inglês ver”.

Uma questão apontada por analistas é que o grupo de sete conselheiros da Caixa tem quatro indicados pelo Ministro da Fazenda, um do Ministério do Planejamento, um representante dos empregados e o próprio presidente da Caixa. A maioria, portanto, é indicada pelo governo.

“O conselho é formado em sua maioria por indicados pelo governo. Portanto ele pode acabar mandando e desmandando nesses conselheiros e com isso ser responsável pelas escolhas dos vice-presidentes da mesma forma que é hoje”, diz um analista.

Partidos do Centrão já se adiantaram ao afirmar que não abrirão mão de fazer indicações políticas para o banco.

Um dos notórios vice-presidentes recentes da Caixa, vale lembrar, é o ex-ministro Geddel Vieira Lima, dono de apartamento onde foram encontrados 51 milhões de reais. Certamente não é o tipo de gestor que o banco precisa para servir a seus clientes.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!