Governo não prevê receita em 2018 com cessão onerosa da Petrobras – Exame

Brasília – O governo federal é credor no processo de revisão da cessão onerosa com a Petrobras tem defendido enfaticamente que, devido à variação do preço do petróleo no período, teria valores a receber da União nessa revisão contratual em “bilhões de dólares”, mas essas receitas não devem entrar no caixa público neste ano e ajudar a impulsionar o resultado fiscal, afirmou à Reuters o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.

“A visão da União é de que a União é credora”, disse o ministro no final da tarde de quinta-feira. “Nós estamos falando de bilhões de dólares… São números realmente relevantes”, acrescentou.

Nesta semana, o governo instituiu uma comissão interministerial com objetivo de negociar com a petroleira os termos da revisão do contrato em até 60 dias, prorrogável por igual período.

A cessão onerosa veio com a assinatura de um contrato em 2010 que garantiu à Petrobras o direito de explorar áreas do pré-sal sem licitação de até 5 bilhões de barris de óleo equivalente.

Mas na época já era prevista uma revisão posterior do contrato, após a declaração de comercialidade das áreas.

A Petrobras tem defendido enfaticamente que, devido à variação do preço do petróleo no período, teria valores a receber da União nessa revisão contratual.

A avaliação dentro do governo, no entanto, é de que a Petrobras é devedora na renegociação.

E mesmo com o posicionamento da União, o ministro não acredita que receitas geradas por eventuais pagamentos da Petrobras ocorram neste ano.

“Eu não tenho a expectativa de que nós tenhamos receitas deste processo este ano, o que não quer dizer que nós não temos que nos empenhar ao máximo para isso porque, evidentemente, seria um ‘upside’ no Orçamento”, afirmou.

Caso a visão sobre o direito de recebimento prevaleça, a ideia é leiloar os barris adicionais de óleo equivalente que foram concedidos ao governo. E, caso o contrário ocorra e a União tenha de remunerar a Petrobras, disse o ministro, o pagamento será feito com barris que já possui, não impactando o Orçamento.

Eletrobras

Se de um lado as receitas com a revisão da cessão onerosa não compõem o Orçamento e podem representar uma surpresa positiva, de outro o governo não descarta retirar a previsão de ingresso de 12 bilhões de reais neste ano com a privatização da Eletrobras.

Segundo Oliveira, essa é a principal questão na revisão de receitas e despesas orçamentárias que será finalizada e divulgada ainda neste mês.

“Nós estamos aguardando a edição do projeto de lei que deve acontecer muito em breve para a gente tomar uma definição de manter ou não”, disse.

Apesar da incerteza envolvendo a operação, o ministro disse não ver o Congresso Nacional “demonstrando resistência” em relação ao conceito de aumento de capital da companhia ou sobre o mecanismo de descotização, pelo qual a Eletrobras pagaria à União um bônus em troca de mudanças nos contratos de suas hidrelétricas mais antigas.

Ainda falando sobre os desafios fiscais para 2018, Oliveira afirmou que o governo não analisa a mudança da meta fiscal, de déficit primário de 159 bilhões de reais para o governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência), nem tem dúvidas sobre o cumprimento da regra de ouro, que limita o endividamento do setor público aos investimentos realizados no exercício e gerou rombo de 184 bilhões de reais neste ano.

De acordo com Oliveira, o cumprimento da regra de ouro será ajudado pela devolução de 130 bilhões de reais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao Tesouro, além do resultado primário bem melhor que o esperado em 2017 e revisões de estimativas de outras variáveis, que não chegou a detalhar.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de usar recursos do Fundo Soberano que estão na conta única por meio de decreto, por exemplo, o ministro disse apenas que ele ainda não havia entrado nesta discussão.

Oliveira voltou a ser enfático de que, em 2019, a situação é mais delicada e que não é possível cumprir a regra de ouro, mesmo que a reforma da Previdência seja aprovada neste ano. Segundo ele, o rombo neste caso é de cerca de 200 bilhões de reais.

“Para 2019 já é o oposto de 2018. Em 2019 não há possibilidade de cumprimento tamanho o desequilíbrio… que nós temos por conta de gastos de custeio”, afirmou o ministro, que se disse favorável a mudanças constitucionais que deem “alívio temporário” ao cumprimento em troca da adoção de uma série de regras de controle e melhoria das contas públicas.

O ministro afirmou ainda que o governo estava finalizando a regulamentação do projeto que possibilita a devolução de concessões problemáticas. Segundo ele, há basicamente concessões de rodovias que se encaixam nestas regras e que, uma vez devolvidas à União, levarão cerca de um ano para que sejam novamente colocadas em leilão depois de reformuladas as condições de concessões.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!