Berlusconi propõe grande plano de privatizações para Itália – Exame

Plano conseguiria reduzir em até 100% a percentagem da dívida pública em relação com o PIB do país, segundo defendeu o empresário.

Por EFE

access_time 21 jan 2018, 09h36

Roma – O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, líder da conservadora Forza Itália (FI), afirmou neste domingo que se o seu partido chegar ao Governo, impulsionará um “grande plano de privatizações” para reduzir a dívida pública do país.

Esse plano conseguiria reduzir em até 100% a percentagem da dívida pública em relação com o Produto Interno Bruto (PIB) do país, segundo defendeu o empresário em uma entrevista publicada pelo jornal “Corriere della Sera”.

“A experiência mostra que a dívida pública e a pressão fiscal crescem juntas, como demonstraram os governos de esquerda nos últimos anos”, acrescentou.

“O único modo de reduzir é um grande plano de privatizações, de cerca de 5 pontos percentuais, que junto com a recuperação do crescimento (…) levaria a uma relação dívida/PIB próxima a 100% em cinco anos, com uma redução relativa da despesa em juros”, acrescentou Berlusconi.

Segundo os dados mais recentes, correspondentes ao nível registrado em 2016, a relação entre a dívida pública e o PIB alcançou neste ano 132%.

Na entrevista ao jornal, o que foi quatro vezes chefe do Governo entre 1994 e 2011 indicou que seu partido defende um rebaixamento de impostos e que esta medida “não é um custo, senão uma maneira de aumentar os investimentos do Estado”.

“A história dos países que aplicaram fortes reduções das taxas impositivas demonstra exatamente isto. Isso foi feito por Kennedy e seu sucessor Johnson nos anos 60 e Reagan nos anos 80 e nos dois casos o fisco americano aumentou seus investimentos em 30%” defendeu Berlusconi.

O ex-primeiro-ministro, condenado por fraude fiscal e que não pode ser candidato nas eleições legislativas de 4 de março, não revela quem seria o candidato do FI ao cargo de premiê, mas assegura que “o fiador do programa e dos compromissos adquiridos sou e serei eu”.

Segundo as últimas pesquisas publicadas neste fim-de-semana sobre a intenção de voto nas eleições à Câmara de Deputados e ao Senado, a união entre a conservadora FI, a xenófoba LN de Matteo Salvini e a ultraconservadora FdI de Giorgia Meloni reúne entre 35,9% e 37,2% dos votos.

Como partido mais votado, no entanto, o Movimento 5 Estrelas (M5S) se situa em primeira posição, solitário e sem fazer parte de coalizões, com entre 27,3% e 28,7%; o governante Partido Democrata (PD) obteria em uma coalizão de centro-esquerda entre 23% e 27%.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!