Ibovespa faz pausa nos ganhos com atenção em Eletrobras; dólar oscila – Valor

SÃO PAULO  –  Após dias consecutivos de ganhos, o Ibovespa oscila ao redor dos 81 mil pontos, passando de leves quedas para leves altas. Segundo profissionais, o movimento é natural após o ganho acumulado de 6,06% nas primeiras sessões deste ano.

Às 13h30, o Ibovespa recuava 0,08%, aos 81.285 pontos. Na máxima do dia, alcançou 81.437 pontos, mas chegou a cair até 80.923 pontos.

“O mercado continua forte, mas é normal que faça uma pausa, até para retomar fôlego para novas altas”, afirma Eduardo Roche, da Genial Investimentos.

A expectativa pelo julgamento do ex-presidente Lula, na quarta-feira, é o evento mais aguardado nesta semana e pode, na visão dos profissionais, determinar a trajetória dos mercados nas próximas semanas. Diante disso, Roche diz que os investidores podem começar a diminuir um pouco o ritmo. “Os estrangeiros, que ampliaram alocação recentemente, estão bastante atentos a esse evento”, diz.

A leitura dos analistas é de que os mercados têm nos preços uma chance muito maior de a condenação de Lula ser confirmada num placar unânime, o que reduz muito o espaço para que ele venha a se candidatar. Assim, caso esse cenário se confirme, a bolsa pode ter um ganho adicional. “Mas não uma euforia, porque a bolsa já subiu muito sob essa expectativa”, diz Roche. Já um placar dividido, de 2 a 1, mantém a incerteza sobre a candidatura do petista, o que traria uma possível realização de lucros.

Na cena corporativa, o destaque é Eletrobras, cujas ações dispararam hoje sob efeito da notícia de que o governo enviou hoje o projeto de lei da privatização da companhia ao Congresso. Às 13h13, Eletrobras ON subia 11,03%, enquanto Eletrobras PNB avançava 7,97%. “Mas, no ano, as ações ainda recuam, o que mostra que o mercado não tem convicção de que a privatização vai acontecer este ano”, diz Roche. “Embora seja possível entender o motivo da alta dessas ações, que são muito voláteis, o mercado sabe que, em ano eleitoral, é muito difícil quebrar a resistência política e levar a privatização adiante.”

Outro tema que concentra as atenções é a notícia de que a Petrobras estuda uma reorganização societária na Braskem, envolvendo a unificação das ações. A ação da petroquímica está entre as maiores altas do Ibovespa e há pouco, subia 2,25%, aos R$ 51,85. Na máxima, atingiu R$ 52,64.

Dólar

O dólar reverte a queda do começo do dia e volta a operar em torno de R$ 3,20. O nível tem se provado um firme suporte para o mercado, principalmente diante da cautela antes do julgamento do ex-presidente Lula.

A posição mais defensiva deve permanecer, pelo menos, até esta quarta-feira. A confirmação da condenação de Lula é o cenário-base de boa parte dos investidores para o evento do dia 24.

A expectativa de uma decisão unânime já respaldou o bom momento do mercado e, caso confirmado, ainda pode renovar ânimos. Para o estrategista da Coinvalores, Paulo Nepomuceno, a moeda americana tende a tocar R$ 3,10 ou vir abaixo desse nível, enquanto os juros longos também apontariam para baixo.

No entanto, a dúvida com um placar dividido e a ansiedade antes do evento já inibem o aumento da exposição. Esse cenário, diz Nepomuceno, levaria o dólar a subir mais, contudo ainda respeitando a casa de R$ 3,30. Uma disparada seria contida pelo ambiente externo ainda favorável, mas também pela capacidade do Banco Central em segurar o movimento com uso de swap cambial.

Por volta das 13h30, o dólar comercial subia 0,04%, a R$ 3,2017, tendo tocado mínima em R$ 3,1837.

Já o contrato futuro para fevereiro avançava 0,19%, a R$ 3,2080.

Os investidores já têm se prontificado para encarar o julgamento, o que diferente este evento da crise política gerada pelas conversas entre o Joesley Batista e o presidente Michel Temer. Uma estratégia, por ora, é realizar lucros e diminuir posições. “Mercado já tem data marcada, com cenários e evoluções estimadas”, diz o operador de uma corretora paulista.

Alguns especialistas alertam que, embora o evento seja importante, ele não liquida as dúvidas do radar. “Tendo em vista que o processo ainda poderá passar por diversos recursos em outras instâncias do judiciário (e.g. STJ, STF, TSE), é possível que certo grau de incerteza quanto a esta questão (estritamente jurídica, mas com indiretas consequências eleitorais) permaneça pelos próximos meses”, aponta o economista-chefe do Rabobank Brasil, Maurício Oreng.

Aos poucos, o cenário externo também deve deixar de ser tão favorável para emergentes. Na avaliação da Capital Economics, o Federal Reserve deve elevar quatro vezes os juros em 2018, uma alta a mais do que os mercados estão atualmente precificando, o que levaria a um dólar mais forte. Além disso, o recente aumento nos preços do petróleo só deve ser temporário e retornarão para US$ 55 por barril até o final deste ano.

“O sentimento global positivo para mercados emergentes deve diminuir à medida que o crescimento econômico agregado desses locais fica aquém das expectativas otimistas de consenso”, aponta a consultoria. “Acreditamos que o recente rally nas moedas emergentes está chegando ao fim e que a maioria terminará 2018 mais fraca do que os níveis atuais”, acrescenta.

Juros

O mercado de juros futuros entra na reta final de ajustes antes do julgamento do ex-presidente Lula. As taxas operam em viés de alta nesta segunda-feira, numa posição mais cautelosa dos investidores, que também cobram um pouco mais de prêmio para se posicionar ao longo da curva.

A taxa projetada pelo contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 marca 8,940% ante o nível de 8,930% no ajuste anterior.

Com prazo mais longo, o DI para janeiro de 2023 é negociado a 9,720%, de 9,690% no ajuste anterior.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!