Oxfam: Prosperidade de bilionários impulsiona grande desigualdade – Exame

O relatório da Oxfam indica que 3,7 bilhões de pessoas que representam a metade mais pobre do mundo não tiveram aumento de riqueza em 2017

Por Reuters

access_time 22 jan 2018, 10h50

Londres – Quatro em cada cinco dólares de riqueza gerados em 2017 terminaram nos bolsos do 1 por cento mais rico, enquanto a metade mais pobre da humanidade não recebeu nada, apontou um relatório publicado pela Oxfam nesta segunda-feira.

Conforme líderes políticos e empresariais se reúnem para o encontro anual do Fórum Econômico Mundial nesta semana em Davos, na Suíça, o relatório destaca um sistema global que premia os super-ricos e negligencia os pobres.

O relatório indica que 3,7 bilhões de pessoas que representam a metade mais pobre do mundo não tiveram aumento de riqueza em 2017, enquanto 82 por cento da riqueza gerada no ano passado foi para o 1 por cento mais rico da população global.

“Isso revela como nossas economias estão premiando os mais ricos, ao invés do trabalho duro de milhões de pessoas”, disse a diretora-executiva da Oxfam, Winnie Byanyima, à Reuters TV.

“Os poucos que estão no topo ficam cada vez mais ricos e os milhões na base estão presos em salários de pobreza”.

Byanyima culpou “evasão fiscal” como uma importante causa da desigualdade global, e pediu que líderes reprimam paraísos fiscais e invistam em educação, saúde e empregos para jovens.

Em especial, Byanyima criticou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que participará do Fórum Econômico Mundial, por criar “um gabinete de bilionários” e implementar uma legislação fiscal que ela disse recompensar os super-ricos, não os norte-americanos comuns.

O relatório anual da Oxfam indica que o número de bilionários cresceu em uma taxa de um a cada dois dias entre março de 2016 e março de 2017, enquanto nos Estados Unidos as três pessoas mais ricas possuem a mesma riqueza que a metade mais pobre da população.

A Oxfam informou que mulheres trabalhadoras foram as mais atingidas pela desigualdade global, conforme ganham consistentemente menos que homens e normalmente têm salários menores e formas de trabalho mais inseguras.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!