Taxas longas de juros fecham em alta na véspera do julgamento do recurso de Lula – Jornal do Comércio

Os juros futuros de longo prazo ampliaram a alta e renovaram máximas na última hora da sessão regular desta terça-feira, 23, refletindo o aumento da cautela com o julgamento do recurso do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), evento crucial para a condução das expectativas do mercado para a corrida presidencial. Além disso, outros fatores que contribuíram para a inclinação da curva foram o avanço do dólar e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo -15 (IPCA-15) de janeiro abaixo da mediana das estimativas, que, por sua vez, deu um pequeno alívio aos contratos mais curtos.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,900%, de 6,920% no ajuste de segunda-feira, e a do DI para janeiro de 2020 passou de 8,09% para 8,11%. A taxa do DI para janeiro de 2021 fechou em 8,99%, de 8,93%. A taxa do DI para janeiro de 2023 subiu de 9,72% para 9,78%.

O mercado chega nesta véspera do julgamento confiante na confirmação do resultado da primeira instância e num placar de 3 a 0 pela condenação de Lula, mas também montando operações contra um desfecho diferente, que possa manter espaço para sua candidatura à Presidência, como por exemplo um placar de 2 a 1 e até mesmo um cenário em que seja inocentado não pode ser completamente descartado. “É cautela frente ao evento de amanhã, que é definidor do cenário do ano”, resumiu o economista-chefe do Banco Safra, Carlos Kawall.

Na primeira instância, o juiz Sérgio Moro condenou Lula a 9 anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá.

Pouco antes do fechamento deste texto, os demais ativos domésticos mostravam piora, também em função o julgamento de Lula na quarta. O dólar renovou máximas ante o real, com a ajuda ainda da aceleração da moeda ante outras divisas de países emergentes. Às 16h35, o dólar à vista subia 0,96%, aos R$ 3,2398, após bater a máxima de R$ 3,2443.

Em Davos, na Suíça, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voltou a afirmar nesta tarde que a candidatura de Lula daria aos eleitores a oportunidade de julgar, sem entrar no mérito da questão judicial. Afirmou ainda que tem sido muito abordado para ser candidato e que descarta a possibilidade de ser vice.

Na agenda, o IPCA-15 trouxe um viés de queda para a ponta curta da curva, ao ficar abaixo da mediana projetada e, assim, confirmar a ideia de ao menos mais um corte da Selic na reunião do Copom em fevereiro. O IPCA-15 de janeiro ficou em 0,39%, de 0,35% em dezembro, abaixo da mediana das estimativas (0,42%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!