Governo Temer avalia alternativa para “regra de ouro” – Exame

Prevista na Constituição, a regra proíbe o Tesouro de se financiar para pagar despesas correntes, como salários e aluguéis

Por Adriana Fernandes, do Estadão Conteúdo

access_time 24 jan 2018, 09h58

Brasília – O governo estuda medidas alternativas para garantir o cumprimento da chamada “regra de ouro” em 2019, informou o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.

Prevista na Constituição, a regra proíbe o Tesouro de se financiar para pagar despesas correntes, como salários e aluguéis.

Em entrevista ao Estadão/Broadcast, Oliveira disse que não há jeito de cumprir a regra sem a adoção dessas medidas ou da alteração da norma, o que exige mudança por meio de Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

“Estamos fazendo estudos para aplicação da regra de ouro no Orçamento de 2019. A conclusão hoje é de que a regra será uma restrição para o governo”, disse o ministro.

Na sua avaliação, é melhor aproveitar o momento de dificuldades para adotar uma série de ações e solucionar o problema. “Esse é caminho que devemos tomar.” Ele destacou que é preciso continuar no processo de gestão dura e restritiva das contas públicas para que voltem a fechar no azul, o chamado superávit primário. “Isso vai levar de dois a três anos”, previu.

Para este ano, não haverá problema de cumprimento da regra de ouro. A necessidade de recursos para o cumprimento da regra será menor do que os R$ 180 bilhões previstos inicialmente. Segundo o ministro, o BNDES vai pagar os R$ 130 bilhões necessários para cumprir a regra em 2017.

Para evitar atritos com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente Michel Temer suspendeu as negociações de mudança na regra. Mas a área técnica continua preparando propostas para solucionar o problema.

Corte

O governo decidiu antecipar o contingenciamento das despesas do Orçamento para que os órgãos federais tenham uma avaliação mais real da disponibilidade de recursos ao longo do ano, disse Oliveira – o mais comum é o governo anunciar o corte em março e fazer um decreto preventivo no início do ano.

Segundo o ministro, a primeira revisão, com o valor do corte, será anunciada na semana que vem ou, no mais tardar, nos primeiros dias de fevereiro.

O valor ainda não está decidido, mas não será elevado como no ano passado, quando chegou a R$ 42,1 bilhões.

Ele disse que, se o governo deixasse os ministérios sem essa margem até março, os órgãos públicos ficariam com o Orçamento completamente disponível nesse ano de eleições.

Pela regra eleitoral, a partir de 30 de junho ficam vedadas novas transferências para Estados e municípios. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!