Produção industrial cai em dezembro, aponta CNI – Exame

Brasília – A produção industrial recuou em dezembro de 2017, como é usual para o mês, mas a retração foi menor do que a verificada em anos anteriores, de acordo com sondagem divulgada nesta quarta-feira, 24, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Em uma escala na qual valores abaixo dos 50 pontos significam queda na atividade do setor, o indicador do mês passado ficou em 42,4 pontos.

Apesar de significar menor produção que a de novembro, a perda de desempenho em dezembro de 2017 foi a menor para o mês desde 2011, quando o indicador ficou em 42,6 pontos. Em dezembro de 2016, por exemplo, o índice de produção ficou em 40,7 pontos.

“Dezembro costuma ser um mês de ajustes para a indústria, com queda da atividade por conta do fim das encomendas para o período de festas. Em 2017, não foi diferente. Ressalte-se, contudo, que a desaceleração em 2017 foi mais branda que em outros anos, o que sugere a manutenção do processo de recuperação da indústria no encerramento do ano”, avaliou a CNI, no documento.

Da mesma fora, em todos os anos há redução de postos de trabalho na indústria de novembro para dezembro.

Na escala na qual valores abaixo dos 50 pontos representam recuo, o indicador de emprego ficou em 47,6 pontos no mês passado, também o melhor resultado para dezembro desde 2011. “Ou seja, a queda do número de empregados foi a mais reduzida para o mês em sete anos”, completa a entidade.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) na indústria também recuou em dezembro, de 68% para 64%, mas acabou o ano em um patamar um pouco superior ao registrado no fim de 2016, quando encerrou dezembro em 63%. Ainda assim, a UCI está distante do usual para o período, com um indicador de 41,4 pontos em dezembro, bem abaixo da linha divisória dos 50 pontos.

O nível de estoques no setor ficou em 46,4 pontos em dezembro, também significando um recuo em relação a novembro. Já o índice de estoques em relação ao planejado pelas empresas ficou em 49,5 pontos, praticamente na linha divisória dos 50 pontos, mostrando que os estoques estão bem controlados na indústria.

A sondagem da CNI também mostra que a insatisfação dos empresários do setor com a situação financeira e com suas margens de lucro seguiram diminuindo pelo sétimo trimestre consecutivo. Ambos, no entanto, permanecem abaixo da linha divisória dos 50 pontos que separa a insatisfação da satisfação.

No caso da situação financeira, o índice passou de 45,5 pontos para 47,3 pontos no quarto trimestre do ano passado. Já o indicador de satisfação com a margem de lucro operacional passou de 41,8 pontos para 42,8 pontos na mesma comparação.

O índice de acesso ao crédito passou de 35,5 pontos para 37,3 pontos no trimestre, mas também ainda está muito abaixo da linha divisória dos 50 pontos.

A carga tributária continuou citada como principal problema para o setor (44,3%), seguida pela falta de demanda (34,7%) e a inadimplência dos clientes (19,7%).

Ainda assim os empresários iniciaram 2018 com otimismo. O índice de expectativas de demanda para os próximos seis meses passou de 53,8 pontos em dezembro para 56,6 pontos em janeiro deste ano.

A intenção de investimentos subiu de 52,2 pontos para 53,0 pontos, assim como as perspectivas de compra de matérias primas (de 52,1 pontos para 54,7 pontos) e de quantidade exportada (de 53,5 pontos para 54,7 pontos). A expectativa sobre o emprego ultrapassou a linha divisória dos 50 pontos e passou de 48,7 pontos para 50,2 pontos neste mês.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!