Aprendam conosco, diz Macri em Davos sobre passado protecionista – Exame

A crescente ameaça de guerras comerciais globais é um importante tema de conversas no Fórum Econômico Mundial

Por Reuters

access_time 25 jan 2018, 17h34 – Publicado em 25 jan 2018, 17h32

Davos – O presidente da Argentina, Mauricio Macri, tem uma mensagem franca para governos protecionistas e inclinados ao populismo: aprendam conosco.

“Eu os convidei a visitar a Argentina e ver o que acontece quando um país incrível adota protecionismo e isolamento como estilo de vida”, disse Macri em entrevista à Reuters nesta quinta-feira.

“Não funcionou. Nós somente aprofundamos nossos problemas de pobreza”.

A crescente ameaça de guerras comerciais globais é um importante tema de conversas no Fórum Econômico Mundial, na cidade suíça de Davos. Políticos e economistas estão tensos com a agenda protecionista do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Trump irá discursar ao fórum na sexta-feira.

Quando foi eleito em 2015, Macri assumiu um país que estava a caminho da ruína financeira após uma década de políticas populistas de altos gastos públicos.

Após o default do país em 2001, a Argentina foi afastada de mercados globais de crédito por anos.

A ex-presidente Cristina Kirchner implementou controles cambiais, levantou barreiras de importação para proteger a indústria interna e imprimiu dinheiro para cobrir um crescente déficit fiscal durante seus dois mandatos, de 2007 a 2015.

As medidas impulsionaram certos setores da economia e financiaram uma expansão de programas sociais aos mais pobres, mas geraram uma queda nas reservas do banco central e um dos índices de inflação mais altos do mundo.

Macri desfez controles cambiais, cortou impostos em exportações de grãos, reduziu restrições de importações e reformou os sistemas de impostos e de Previdência.

As medidas contribuíram para uma acentuada queda nos rendimentos sobre a dívida da Argentina e numa alta expressiva dos mercados de ações. Mas Macri tem enfrentado dificuldades para diminuir uma inflação de dois dígitos e convencer companhias de que o país é seguro para investimentos a longo prazo.

Macri disse que seu governo busca alcançar uma inflação de dígito único até o final de 2019. Ele disse que a Argentina possui interesse em acordos comerciais multilaterais e bilaterais, conforme busca restaurar confiança no futuro do país.

“Nós estivemos tão isolados que nós só temos espaço para melhorar e para criar relacionamentos melhores e de longo prazo”, disse. “Nós queremos ser parte das soluções globais, e não dos problemas globais”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!