Consumidores esperam inflação de 5,4% em 12 meses – Jornal do Comércio

Consumo


Notícia da edição impressa de 25/01/2018.
Alterada em 24/01 às 23h23min

Consumidores esperam inflação de 5,4% em 12 meses

Quanto maior a faixa de renda, menor a expectativa com o índice

/PRESSFOTO/FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC

A mediana da inflação esperada pelos consumidores nos próximos 12 meses ficou em 5,4% em janeiro, um recuo de 0,4 ponto percentual em relação ao resultado de 5,8% registrado em dezembro de 2017, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), que divulgou o Indicador de Expectativa de Inflação dos Consumidores. Com o resultado, o indicador recuou ao menor nível desde setembro de 2007, quando estava em 5,2%. Em relação ao mesmo período do ano anterior, houve uma redução de 2,5 pontos percentuais.

Segundo a FGV, o recuo de janeiro reflete a divulgação da inflação acumulada de 2017 pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo IBGE, que ficou em 2,95%, e pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M, da própria FGV), que encerrou o ano em -0,52%.

“O primeiro, por ter ficado abaixo do piso da meta de inflação, e o segundo, por ser o indicador que baliza os preços dos aluguéis, importante item no orçamento das famílias. Para os próximos meses, espera-se que o indicador de expectativa de inflação apresente um comportamento mais estável, refletindo a trajetória do nível geral de preços da economia”, avaliou o economista Pedro Costa Ferreira, do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Na distribuição por faixas de inflação, 48,2% dos consumidores projetaram inflação dentro dos limites de tolerância da meta (de 3% a 6%) perseguida pelo Banco Central. Houve melhora na expectativa para a inflação em todas as faixas de renda, com destaque para as famílias com renda mais baixa, de até R$ 2,1 mil mensais, em que a inflação prevista recuou 0,8 ponto. Os consumidores com renda acima de R$ 9,6 mil permanecem com as expectativas mais reduzidas, de 4%.

IPC-S acelera em seis capitais

O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), acelerou em seis das sete capitais pesquisadas na terceira quadrissemana de janeiro em relação à segunda leitura do mês, divulgou a instituição nesta quarta-feira. No geral, o IPC-S avançou de 0,47% para 0,59% entre os dois períodos.

Por região, o IPC-S apresentou acréscimo na taxa de variação de preços em Salvador (-0,13% para 0,02%), em Belo Horizonte (0,28% para 0,40%), em Recife (0,37% para 0,44%), no Rio de Janeiro (0,65% para 0,71%), em Porto Alegre (0,74% para 1,04%) e em São Paulo (0,58% para 0,70%).

Mais uma vez, a única exceção foi Brasília, capital na qual a taxa de variação arrefeceu de 0,14% para 0,08%, de acordo com a FGV.

Demanda por crédito sobe 0,6% em 2017, diz Boa Vista

A demanda do consumidor por crédito cresceu 0,6% em 2017, de acordo com os dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) divulgados ontem. Essa é a primeira variação positiva no consolidado anual desde 2012, quando houve expansão de 7,2%. Em dezembro ante novembro com ajuste sazonal, houve queda de 4% na procura por crédito, mas, na comparação com igual mês de 2016, o crescimento foi de 3,9%.

No ano passado, as instituições financeiras tiveram retração de 1,3%, enquanto o segmento não financeiro registrou aumento de 1,8%. Na margem, o setor financeiro recuou 2,5%, e o não financeiro mostrou queda de 5%.

A Boa Vista SCPC destaca, em nota, que a recuperação da atividade econômica inicia um movimento de retomada do consumo que colabora para a elevação da demanda por crédito. “Ademais, com as recentes melhorias nas perspectivas de juros e inflação, espera-se para os próximos meses retomada mais consistente do indicador”, avalia a instituição.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!