Custo da dívida interna é o menor da série histórica, aponta Tesouro – Valor

BRASÍLIA  –  O custo médio da Dívida Pública Federal (DPF) fechou dezembro em 10,29% ao ano, ante 10,24% ano em novembro. Já o custo da Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) encerrou o mês em 10,34%, o que representa uma queda sobre os 10,5% ao ano em novembro, e menor leitura desde o início da série histórica, em dezembro de 2005.

O custo médio das emissões da DPMFi em oferta pública caiu em 0,52 ponto percentual, para 9,69% ao ano em dezembro, igualando custo de fevereiro de 2014. Em novembro, esse custo foi de 10,21%. A comparação, feita pelo Tesouro Nacional, considera o custo acumulado nos últimos 12 meses terminados em cada período.

O custo médio das emissões da Letras do Tesouro Nacional (LTN) foi de 9,82% ao ano em dezembro (ante 10,34% ao ano em novembro), enquanto o custo para colocação de Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B) fechou o mês em 8,46% (8,48% em novembro). As LFTs saíram a 9,99% (10,63% em novembro) e as NTN-F tiveram custo de 10,35% ao ano (10,71% ao ano em novembro).

Custo de financiamento

O Tesouro Nacional fez um balanço sobre a condução da dívida pública em 2017 e elegeu como destaque a redução do custo médio de financiamento. Segundo a secretaria, isso foi alcançado graças à redução da inflação e à consequente queda dos juros registrada no ano passado.

“Ao trazer um balanço de 2017, destaca-se a redução do custo médio de financiamento da DPF, que tem a redução da inflação e a consequente redução da taxa de juros da economia brasileira ao longo do ano como fatores explicativos”, diz mensagem inserida no Relatório Anual da Dívida Pública Federal.

O Tesouro afirma ainda que, no âmbito da Dívida Pública Federal Externa, houve a realização de duas operações bem-sucedidas no mercado internacional, o que aponta “para a confiança dos investidores na solidez e no baixo risco do perfil de endividamento brasileiro”.

A secretaria acredita que a DPF, atualmente, se caracteriza “por uma composição saudável, com reduzida exposição cambial e baixa concentração de vencimentos no curto prazo, além de contar com uma base diversificada de investidores para seu financiamento”. Para a secretaria, esses fatores estão em linha com as diretrizes ligadas às estratégias da DPF e ainda “contribuem para mitigar riscos” relacionados à condução da dívida pública.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!