Dívida pública fecha 2017 com recorde de R$ 3,56 trilhões – Exame

O crescimento da dívida se deu fundamentalmente pela alta de 15% da dívida mobiliária federal interna

Por Reuters

access_time 25 jan 2018, 10h53

Brasília – A dívida pública federal subiu 14,3% em 2017, a 3,559 trilhões de reais, renovando seu recorde histórico e fechando o ano dentro do intervalo que havia sido fixado pelo governo, informou o Tesouro Nacional nesta quinta-feira.

O crescimento da dívida se deu fundamentalmente pela alta de 15% da dívida mobiliária federal interna em relação a 2016, a 3,435 trilhões de reais.

A dívida pública federal externa, por sua vez, caiu pouco mais de 2% na mesma base de comparação, alcançando 123,79 bilhões de reais.

No Plano Anual de Financiamento (PAF) para 2018 divulgado nesta quinta-feira, o Tesouro fixou novo intervalo de 3,78 a 3,98 trilhões de reais para o estoque geral da dívida. No ano passado, esse intervalo era de 3,45 trilhões a 3,65 trilhões de reais.

Apenas em dezembro, a dívida pública federal subiu 1,89% sobre novembro, enquanto a dívida pública mobiliária interna teve aumento de 1,88% e a dívida externa avançou 1,96%.

Em relação à composição, o governo também conseguiu manter o enquadramento estabelecido antes pelo PAF. Com maior peso, os papéis prefixados responderam por 35,34% do total no ano passado, dentro da faixa de 32 a 36%.

Os títulos indexados à Selic ficaram com fatia de 31,51%, dentro do objetivo de 29 a 33%. Já os papéis corrigidos pela inflação fecharam o ano respondendo por 29,55% da dívida total, diante da faixa de 29 a 33%.

Os títulos remunerados pelo câmbio tiveram participação de 3,60% da dívida total, ante previsão de 3 a 7%.

A participação dos investidores estrangeiros em títulos da dívida interna fechou 2017 com menor representatividade, com parcela de 12,12%, ante 12,67% em novembro e 14,33% em dezembro de 2016.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!