Tesouro indica aumento de R$ 6,8 bi de restos a pagar em 2018 – Exame

As despesas de outros anos que foram inscritas para ser quitadas em 2018 somam R$ 155 bilhões

Por Estadão Conteúdo

access_time 25 jan 2018, 18h19

Brasília – Após dois anos de retração, o volume de restos a pagar do governo federal referentes a exercícios anteriores aumentou para este ano, de acordo com relatório divulgado nesta quinta-feira, 25, pelo Tesouro Nacional. As despesas de outros anos que foram inscritas para ser quitadas em 2018 somam R$ 155 bilhões, superando em 4,6% (R$ 6,8 bilhões) os restos a pagar registrados para o ano passado (R$ 148,2 bilhões).

Os restos a pagar são despesas empenhadas, mas não pagas pelo governo até 31 de dezembro, ficando o desembolso de fato para o ano seguinte. Os pagamentos só ocorrem após a verificação de que os bens ou serviços contratados realmente foram executados.

O Tesouro destacou que, dos R$ 6,8 bilhões de aumento para 2018, R$ 4,5 bilhões – ou 88% – referem-se a despesas decorrentes de emendas parlamentares.

Os R$ 155 bilhões em restos a pagar inscritos em 2018 equivalem a 7,0% do Orçamento Federal deste ano. Desse volume, R$ 27 bilhões se referem a créditos já processados e R$ 128 bilhões, a despesas cuja execução ainda será verificada.

Do total, 64,5% dizem respeito a gastos contratados em 2017 e 35,5% correspondem a despesas de anos anteriores. Essa segunda parcela equivale a R$ 55 bilhões de despesas que já eram restos a pagar inscritos para 2017, mas que não foram pagos no ano passado.

Em 2017, foram quitados 51,4% do estoque de restos a pagar, um porcentual abaixo da média de 53,3% registrada desde 2007. Dos R$ 148,2 bilhões em restos a pagar inscritos em 2017, R$ 17,1 bilhões foram cancelados, R$ 76,2 bilhões foram pagos e o restante foi transferido para este ano.

De acordo com o Tesouro, o aumento no volume de restos a pagar em 2018 se deve ao crescimento de 11,7% em novas inscrições, além da redução de 27,9% nos pagamentos e da queda de 19,7% nos cancelamentos em 2017.

“A redução do cancelamento, não é, isoladamente, ruim, pois ela pode ocorrer devido à melhora na gestão da despesa, evitando-se o empenho de despesas que seriam canceladas no futuro. Contudo, quando a redução do cancelamento é decorrente de postergação da validade do RAP, fruto de reinscrição automática, ela pode resultar num problema para a gestão financeira dos órgãos”, avaliou o Tesouro.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!