Usina Pampa Sul está com 75% das obras concluídas – Jornal do Comércio

Em meio a um processo de venda, a usina a carvão Pampa Sul encontra-se na reta final da sua construção no município de Candiota. Atualmente, a obra verifica um avanço de 75%, e a planta deve entrar em operação no começo de 2019. Enquanto desenvolve os trabalhos, o grupo Engie também busca alienar o empreendimento e seu projeto de expansão (chamado de Pampa Sul 2), e o complexo termelétrico catarinense Jorge Lacerda.

Segundo o CEO da Engie Brasil Energia, Eduardo Sattamini, a caldeira da Pampa Sul está com montagem adiantada, e a barragem e a estação de captação de água, assim como a linha de transmissão necessária para escoar a produção de energia, já foram concluídas. No momento, em torno de 4 mil empregados estão atuando nas obras. “Este é o pico, quando temos a conclusão das obras civis e o acréscimo na montagem eletromecânica nas diversas frentes”, ressalta Sattamini. De acordo com o dirigente, o investimento previsto na Pampa Sul é de R$ 1,8 bilhão, em dados da época do leilão em que o projeto vendeu sua futura geração, que ocorreu em novembro de 2014. Atualizado, o valor deve subir para cerca de R$ 2,5 bilhões.

A térmica operando na sua capacidade máxima nominal consumirá cerca de 245 mil toneladas de carvão por mês. Considerando que a usina irá operar a plena carga de oito a nove meses por ano, o consumo médio será de cerca de 160 mil toneladas por mês. A planta terá uma capacidade instalada de produção de eletricidade de 340 MW (cerca de 9% da demanda média de energia elétrica do Rio Grande do Sul).

Sattamini lembra que a Engie está em negociação aberta com um potencial comprador (a ContourGlobal, empresa de geração de energia com atuação internacional) que está realizando a due diligence (checagem das condições do negócio) quanto à Pampa Sul e ao complexo Jorge Lacerda. Contudo, não há um prazo estabelecido para a conclusão da venda dos ativos. Por enquanto, as companhias não estão informando os valores envolvidos na transação.

Uma das justificativas para a Engie desfazer-se desses empreendimentos é a estratégia global da empresa de descarbonização, ou seja, de sair da geração de energia a partir do carvão e de focar o crescimento em fontes renováveis. Confirmando a venda, o objetivo da Engie é que o novo investidor seja o responsável pelo término da construção da térmica. “De qualquer modo, esse é um ponto ainda em aberto e que dependerá das evoluções das negociações nas próximas semanas”, diz Sattamini. O executivo detalha que, apesar de não ser o desejo da Engie, a possibilidade de venda após o término da obra não pode ser descartada, pois não existe compromisso firme assumido até o presente momento.

O plano de desinvestimento da companhia na térmica gaúcha inclui também o seu projeto de expansão, denominado de Pampa Sul 2. Diferentemente da Pampa Sul original, que tem um contrato de comercialização de energia já conquistado, a segunda etapa da usina precisa, ainda, garantir um mercado para sua geração.

O projeto de ampliação foi habilitado para participar no último leilão de energia nova realizado pelo governo federal em dezembro do ano passado, mas não chegou a vender sua produção. A Pampa Sul 2 é uma segunda unidade, semelhante à primeira, na mesma área, que utilizará algumas sinergias já instaladas na unidade 1. Essa segunda planta teria uma capacidade instalada de 345 MW e trabalharia com um volume de carvão de 320 toneladas de carvão/hora.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!