Juros fecham em queda firme, ainda sob efeito da condenação de Lula – Jornal do Comércio

Os juros futuros sustentaram até o fechamento da sessão regular desta sexta-feira (26) o movimento de queda de taxas visto desde a abertura, ainda amparados no resultado do julgamento do recurso do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva contra sua condenação, em segunda instância, na quarta-feira (24).

Não somente a condenação da primeira instância foi confirmada como Lula teve sua sentença elevada para 12 anos e 1 mês de prisão. Com isso, o mercado dá como certo que o ex-presidente está fora da corrida presidencial.

A sessão teve volume robusto de contratos negociados. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,780%, de 6,829% no ajuste de quarta-feira, e a do DI para janeiro de 2020 caiu de 7,99% para 7,93%. A taxa do DI para janeiro de 2021 terminou em 8,74%, de 8,84% no último ajuste. O DI para janeiro de 2023 encerrou com taxa de 9,47%, de 9,62%.

“Lula com certeza está fora da eleição, o que aumenta muito chance de vitória de um candidato reformista e, com isso, o poder de barganha para aprovar a reforma da Previdência”, afirmou o sócio-gestor da LAIC-HFM Vitor Carvalho, para explicar o rali dos mercados nesta sexta-feira.

A reforma da Previdência passa a ser agora o principal foco dos investidores e a grande batalha do governo. O presidente Michel Temer decidiu adiar a viagem que faria na semana que vem para Portugal para participar da XII cimeira luso-brasileira no dia 2 de fevereiro para poder concentrar os esforços nas negociações em torno da reforma, cuja data de votação está marcada para o dia 19 na Câmara.

Nesta sexta, com o foco muito voltado ao resultado do julgamento, oficializado já com o mercado nos últimos minutos de sessão na quarta-feira, a agenda doméstica não chegou a fazer preços na renda fixa.

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) trouxe saldo negativo de 328.539 vagas de emprego formal em dezembro – número melhor do que a mediana das estimativas de fechamento de 405 mil – e de 20,8 mil vagas em 2017. Nesse caso, a mediana era negativa em 180 mil.

Já a Receita informou que a arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 1,342 trilhão em 2017, um aumento real (já descontada a inflação) de 0,59% na comparação com o arrecadado em 2016 – a primeira alta real registrada desde 2013, quando a arrecadação cresceu 4,08%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!