Washington adota sanções contra autoridades russas – Exame

Algumas das sanções dizem respeito a quatro turbinas fabricadas pela Siemens alemã e desviadas, segundo os Ocidentais, à Crimeia

Por AFP

access_time 26 jan 2018, 16h31

O Tesouro americano anunciou nesta sexta-feira novas sanções relacionadas ao conflito na Ucrânia e à anexação da Crimeia por Moscou, visando autoridades russas e “ministros” separatistas.

Algumas dessas novas sanções financeiras, que visam um total de 21 pessoas e nove entidades, dizem respeito a quatro turbinas fabricadas pela Siemens alemã e desviadas, segundo os Ocidentais, à Crimeia para fornecer energia aos territórios anexados pela Rússia.

“O governo americano está determinado a preservar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia e visa aqueles que estão tentando minar os acordos de Minsk”, assinado no início de 2015 para tentar resolver o conflito que se arrasta desde 2014, afirmou o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, em um comunicado.

“Aqueles que fornecem bens, serviços ou suporte material a pessoas e entidades sancionadas pelos Estados Unidos para suas atividades na Ucrânia vão estar expostos a sanções americanas”, advertiu.

As novas medidas dizem respeito, em primeiro lugar, a onze líderes separatistas: “ministros” das autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, bem como o “governador” de Sebastopol, na Crimeia, todos acusados ​​de terem bloqueado a paz ou de exerceram funções governamentais em território ucraniano sem a permissão de Kiev.

O vice-ministro russo da Energia, Andrei Tcherezov, e um chefe de departamento no mesmo ministério também estão na lista de sancionados. Eles já haviam sido punidos pela União Europeia por desviar as turbinas a gás da Siemens para a Crimeia.

Sergei Topor-Gilka, diretor-geral da Technopromexport, subsidiária do conglomerado estatal russo Rostec e comprador das turbinas, também é alvo das medida americanas.

A transferência de turbinas para a Crimeia no verão passado é contrária ao contrato de venda, lembra o Tesouro americano, que justifica que elas arriscam “contribuir para a anexação da Crimeia pela Rússia, fornecendo uma fonte independente de energia na Crimeia e em Sebastopol”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!