Com Petrobras, emissores brasileiros captam mais de US$ 7 bi no exterior no ano – Jornal do Comércio

Com a nova emissão externa da Petrobras e a estreia da Natura no mercado de dívida internacional, emissores brasileiros captaram US$ 7,15 bilhões na primeira janela do ano, superando os US$ 5,95 bilhões emitidos no Exterior no mesmo intervalo do ano passado. O número é apontado como muito positivo, visto que no fim de 2017 muitas companhias já tinham antecipado suas captações, se aproveitando do bom momento de mercado.

Além disso, o período de captação teve uma presença de empresas novatas, o que indica um sinal positivo dado pelos investidores em relação ao apetite para os ativos brasileiros. Destaque na janela de janeiro foi a Petrobras, com uma emissão de US$ 2 bilhões e com um prêmio (new premium issue) negativo em relação aos papéis da companhia que já circulam no mercado, um dia depois da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em segunda instância na Justiça. Na prática, a estatal lançou os bônus a preços muito atrativos e provou, ainda, o bom humor crescente do mercado em relação à companhia.

A primeira janela do ano teve, ainda, nomes como JSL, Rumo, Marfrig, Hidrovias do Brasil e as também estreantes Rede d’Or e Natura que, em sua maioria, conseguiram levantar recursos a preços mais atrativos que o esperado. Até mesmo o Tesouro Nacional, figura frequente no mercado externo no começo do ano, conseguiu captar a um custo menor que a emissão anterior e uma semana após o rebaixamento da nota de crédito do Brasil por parte da agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P). A emissão confirmou que a influência da decisão da classificadora foi praticamente zero, a demanda pelos papéis soberanos chegou a quatro vezes mais o valor da emissão, de US$ 1,5 bilhão.

Outra prova contundente de que o rebaixamento da S&P não afetou o humor dos investidores em relação ao Brasil, foi a captação da Hidrovias do Brasil, outra novata que, com uma demanda sete vezes superior à oferta inicial, captou US$ 600 milhões.

Mesmo que a janela de janeiro esteja sendo dada como encerrada, não se afasta a possibilidade de um emissor frequente emitir antes do fim do mês. Esse tipo de emissor consegue anunciar e fechar a operação em um único dia e pode querer aproveitar o bom momento para captações, diz uma fonte.

Para o início deste ano ainda são esperadas pelo mercado a emissão de nomes como a CSN, que tem bônus perto do vencimento, Braskem, BRF e Ultrapar. “Há um razoável descolamento da situação doméstica e internacional. Há um volume de liquidez tão grande que o investidor busca operações no mercado ainda que haja um cenário que não seja o que ele imagina”, prevê a gerente executiva de renda fixa local e internacional do Banco do Brasil, Fernanda Arraes.

Contribui para a ida dos emissores ao exterior, de acordo com Fernanda, o fato de o risco Brasil medido pelo Credit Default Swap (CDS) estar ladeira abaixo. Como o risco percebido pelos investidores caiu, as companhias têm conseguido se beneficiar disso. Marfrig e Rede D’Or captaram pouco antes do downgrade do Brasil e conseguiram, até mesmo, uma taxa menor que a esperada.

Outros emissores frequentes no mercado de dívida internacional, os bancos também podem fazer algum movimento. O principal candidato é a Caixa Econômica Federal, que precisa de recursos para fazer frente às suas necessidades de capital uma vez que não poderá mais contar com a operação de R$ 15 bilhões com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O Conselho de Administração do banco já aprovou emissão externa de títulos perpétuos (sem prazo de vencimento).

Já o Banco do Brasil, que voltou a acessar o mercado externo no fim do ano passado está, por ora, somente monitorando o cenário, de acordo com uma fonte. Além de não ter necessidade de captar recursos neste momento, a instituição prefere publicar os resultados do último trimestre do ano e também os anuais de 2017 para ter boas novas para apresentar aos investidores internacionais. Em outubro, o BB emitiu US$ 1 bilhão em bônus de sete anos, com demanda que superou os US$ 5,5 bilhões.

As emissões de companhias brasileiras no Exterior ocorrem ainda que 2017 tenha sido um ano atípico em relação aos exercícios anteriores. Fernanda, do BB, lembra que a participação do Brasil na América Latina foi a 22% ante 10% e 16% nos anos de 2015 e 2016, respectivamente.

A percepção, segundo especialistas, é de que as empresas devem antecipar suas emissões e evitar o segundo semestre, para se distanciarem da maior volatilidade esperada com o início da campanha eleitoral.

Apesar de a janela de emissões externas em janeiro, na visão de especialistas, ter potencial para se estender como ocorreu no final do ano passado, a expectativa de aumento de volatilidade por conta das eleições presidenciais tende a fazer as empresas anteciparem captações. Em 2017, o Brasil captou US$ 31,5 bilhões com emissão de bônus no exterior, o maior montante desde 2014, quando o País levantou US$ 45,5 bilhões.

Em renda variável o ano começou com uma oferta, na Bolsa de Nova Iorque, que fez história. A empresa de meios de pagamento PagSeguro levantou US$ 2,6 bilhões, a maior oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) de uma empresa brasileira em Nova York e a quarta maior oferta de uma empresa de tecnologia por lá, somente atrás de Facebook, Alibaba e Snapchat. Na fila para emitirem ainda no início do ano na B3,já estão com prospecto na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a Blau, Ri Happy e Centauro.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!