Canadá, México e EUA admitem dificuldade na renegociação do Nafta – Exame

Os três países afirmaram que avanços foram registrados ao longo das conversas, mas admitiram que ainda há dificuldades a serem superadas

Por EFE

access_time 29 jan 2018, 18h03

Toronto – Canadá, México e Estados Unidos afirmaram nesta segunda-feira, ao término da sexta e penúltima rodada de renegociação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), que avanços foram registrados ao longo das conversas, mas admitiram que ainda há dificuldades a serem superadas.

A análise foi feita pelos principais líderes políticos na renegociação: a ministra de Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, o secretário de Economia do México, Ildefonso Guajardo, e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer.

Guajardo, que abriu as declarações, afirmou que a renegociação está em um “melhor momento” e que houve avanços na rodada. Mas também indicou que os trabalhos não foram fáceis, o que ficou claro quando chegou a vez de o representante americano analisar a rodada.

Lighthizer disse que a renegociação está progredindo “lentamente”, ainda que tenha havido alguns avanços em Montreal. Na sequência, fez várias críticas ao Canadá, a quem acusou de apresentar propostas que só prejudicam a economia dos EUA.

O representante americano aproveitou a oportunidade para questionar a decisão do governo canadense de apresentar uma ação na Organização Mundial de Comércio (OMC) contra os EUA pelo uso de subvenções compensatórias e medidas antidumping.

Lighthizer classificou a decisão como “sem precedentes” e que representa um “ataque” às leis comerciais dos EUA. Para ele, a ação beneficia a China e é contrária aos próprios interesses do Canadá.

Outro ponto criticado foi a proposta canadense para resolver um impasse na negociação sobre o setor automotivo. Segundo a imprensa local, o Canadá queria fossem considerados aspectos de propriedade intelectual, como componentes dos automóveis.

Apesar de a imprensa ter indicado um otimismo a americano com a proposta, Lighthizer descartou a ideia hoje, ao declarar que a modificação seria ainda pior dos que as regras já existentes.

Já Freeland evitou entrar na polêmica levantada por Lighthizer e disse que a ação apresentada pelo Canadá na OMC contra os EUA é um assunto independente da renegociação do Nafta.

A ministra também reconheceu que o Nafta é um tratado que precisa ser renovado, mas destacou que a renegociação precisa beneficiar os três países, e não só um, em uma clara referência aos EUA.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!