Desoneração da folha de pagamento não gerou empregos, diz Ipea – Exame

Novo estudo não vê impacto sobre volume do emprego de política implementada por Dilma em 2012 e que o governo tenta reverter desde 2015

access_time 29 jan 2018, 13h13 – Publicado em 29 jan 2018, 12h31

São Paulo – A desoneração da folha de pagamento não teve efeito visível sobre o volume de empregos, de acordo com um estudo recente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

O trabalho dos economistas Felipe Garcia, Adolfo Sachsida e Alexandre Xavier Ywata de Carvalho avaliou os resultados da política implementada a partir de 2012, no governo Dilma Rousseff.

A versão original da lei permitia que os 20% de contribuição patronal ao regime de previdência, incidentes sobre a folha de pagamentos, fossem substituídos por uma contribuição entre 1% e 2% sobre o faturamento das empresas.

Era parte do chamado Plano Brasil Maior (PBM), um conjunto de ações que também incluíram desoneração de exportações e linhas de crédito especiais, entre outras medidas.

Usando dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) para o período entre 2009 e 2015, o estudo do Ipea compara como o volume de emprego evoluiu entre empresas afetadas e não afetadas pela política e também entre setores contemplados e não contemplados.

Conclusão: “no geral, os resultados obtidos apontam para ausência de efeitos da política sobre o volume de empregos.”

Estudos anteriores já haviam chegado a conclusões parecidas, mas apenas comparando quem estava fora e quem estava dentro da política, por setor ou por tamanho.

Este é o primeiro que considera os dois fatores ao mesmo tempo. Além disso, por ser mais recente, o estudo conseguiu analisar um período maior.

Reversão difícil

O governo tenta reverter a política de desoneração desde a gestão do ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy em 2015 e encontra forte resistência política.

Uma MP (Medida Provisória) com aumento das contribuições foi enviada ao Congresso naquela época  e devolvida. O governo depois enviou um projeto que só foi aprovado com atraso de meses e em versão suavizada.

Em março de 2017, foi a vez do novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciar o fim da desoneração da folha para quase todos os setores como parte do esforço para conter o rombo nas contas públicas.

Entidades como Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) reagiram afirmando que haveria alta do desemprego.

A medida do governo, que também havia sido implementada por MP, acabou caducando sem ser votada pelo Congresso. Aprovar um projeto nesse sentido é uma das prioridades do governo para 2018.

O custo total da renúncia para os cofres públicos foi de R$ 77,9 bilhões entre 2012 e 2016, segundo a Receita Federal.

Diagnóstico

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Fabio Kanczuk, disse no final de outubro, durante evento no Tribunal de Contas da União (TCU), que a política de desoneração acabou se provando “uma droga de projeto”.

A própria ex-presidente Dilma Rousseff já disse que as desonerações fiscais (que não se resumiram à folha de pagamento) foram um “grande erro”:

“Eu acreditava que, se eu diminuísse impostos, eu teria um aumento de investimentos (…) Eu diminuí e me arrependo disso. No lugar de investir, eles (empresários) aumentaram a margem de lucro”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!