Em movimento global de alta, dólar fecha no patamar de R$ 3,16 – Jornal do Comércio

Esta segunda-feira (29) foi de correção para o dólar em escala global, depois das fortes perdas da divisa na semana passada. O câmbio doméstico acompanhou o exterior, e a moeda americana subiu para a casa dos R$ 3,16, depois de ter alcançado o patamar de R$ 3,13 no fim da semana passada. Segundo profissionais do mercado, a agenda dos Estados Unidos desta semana – que incluiu a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), na quarta-feira, e os dados do mercado de trabalho relativos a janeiro, na sexta – é fator de pressão sobre os rivais do dólar.

A moeda americana tende a ter alguma recuperação ao longo da semana, “principalmente se forem confirmados os indicadores favoráveis de emprego nos Estados Unidos”, afirmaram analistas da Lerosa Investimentos, em relatório. A expectativa com a reunião do Fed também traz cautela aos negócios, destacaram.

“As discussões recentes por parte da alta cúpula do governo Trump sobre a vantagem ou não de um dólar desvalorizado mantêm apreensão sobre os investidores”, acrescentaram os profissionais. O recuo do petróleo no mercado internacional foi outro fator para a desvalorização de moedas de países emergentes.

“Tivemos hoje uma correção global nos mercados”, comentou Bruno Foresti, gerente de câmbio do Ourinvest. De acordo com Foresti, a tendência, no entanto, é que o dólar se mantenha abaixo dos R$ 3,20, podendo recuar a até R$ 3,08, em função do forte fluxo de entrada de recursos no País.

No campo doméstico, profissionais disseram que não houve fatores que afetassem o câmbio nesta sessão. Sobre a reforma da Previdência, a leitura é de que a chance de aprovação da proposta em fevereiro já era remota e que, se isso ocorrer, será um “plus” no cenário positivo previsto para o mercado local no curto prazo.

O dólar à vista fechou em alta de 0,86%, a R$ 3,1656. O giro foi de US$ 1,263 bilhão. No mercado futuro, o dólar para fevereiro terminou com ganho de 0,06%, a R$ 3,1565. O volume foi de US$ 16,854 bilhões.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!