Juros avançam em linha com dólar em meio à espera por Previdência e pesquisas – Jornal do Comércio

Os juros futuros avançam nesta segunda-feira (29) após terem recuado na sexta-feira, puxados pela valorização do dólar ante o real no período da manhã. A moeda americana é impulsionada pelo viés positivo do exterior e também após acumular perdas de 5,34% em janeiro.

Segundo um operador, o investidor local volta a olhar com mais atenção à reforma da Previdência em meio a expectativas sobre as próximas pesquisas eleitorais para a Presidência da República. Contudo, operadores de renda fixa avaliam que a tendência é de queda das taxas, especialmente após a condenação do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva em segunda instância.

Lá fora, o destaque nesta segunda é a nova alta dos juros do Treasury dos Estados Unidos de 10 anos, que rompe 2,70% pela primeira vez desde abril de 2014. Já o dólar se fortalece ante moedas principais e emergentes e ligadas a commodities após registrar perdas na semana passada. Investidores seguem atentos à questão imigratória norte-americana e a uma eventual nova paralisação do governo de Donald Trump, caso não haja um acordo entre republicanos e democratas até 8 de fevereiro.

Além disso, estão à espera da reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) na quarta-feira, que marcará a despedida de Janet Yellen da presidência da instituição. Está no foco nesta segunda o índice PCE, que fornecerá pistas sobre o fôlego da inflação no país. A semana traz ainda os dados do emprego (payroll), na sexta-feira.

Às 9h54min, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 exibia 6,795%, de 6,780% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2020 marcava 7,97%, de 7,93% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2021 estava em 8,79%, de 8,74%. Já o DI para janeiro de 2023 marcava 9,53%, na máxima, de 9,47% no ajuste de sexta-feira. No câmbio, o dólar à vista subia 0,86%, aos R$ 3,1656. O dólar futuro de fevereiro ganhava 0,40%, aos R$ 3,1670.

Na pesquisa Focus, divulgada mais cedo pelo Banco Central, economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2018 e 2019 em 3,95% e 4,25%, respectivamente. Também foram mantidas as projeções para Selic no fim de 2018, em 6,75%, e em 8,00% para 2019. A Selic está atualmente em 7,00% ao ano. No caso da PIB, as estimativas para este ano passaram de 2,70% para 2,66%. Para 2019, o mercado elevou a previsão de alta do PIB de 2,99% para 3,00%.

Mais cedo, foi revelado que confiança da indústria, medida pela Fundação Getulio Vargas (FGV), ficou em 99,4 pontos em janeiro, estável em relação a dezembro, quando havia alcançado o maior nível desde janeiro de 2014 (99,6 pontos). Na métrica de médias móveis trimestrais, a confiança manteve a tendência de alta, ao avançar 1,2 ponto, para 98,8 pontos.

O Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,52% na terceira quadrissemana de janeiro, acelerando levemente em relação ao aumento de 0,49% verificado na segunda quadrissemana do mês.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!