Ajuste de alta perde força e taxas de juros encerram perto da estabilidade – Jornal do Comércio

A pressão de alta nos juros futuros, vinda principalmente do câmbio e do rendimento dos Treasuries e que marcou boa parte da sessão desta terça-feira (30) perdeu força na reta final dos negócios. Os contratos mais líquidos encerraram com taxas perto dos ajustes anteriores, com viés de alta.

O dólar também desacelerou os ganhos ante o real, mas ao término da sessão regular, às 16 horas, ainda estava cotado acima dos R$ 3,18. Profissionais da renda fixa afirmam que não houve nada no noticiário da última hora que justificasse tal alívio nas taxas, mas lembram que, dada a perspectiva de que o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva fique fora do processo eleitoral e do fim do ciclo de queda da Selic, é natural que a curva fique mesmo mais “flattening (achatada)”.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,810%, de 6,785% segunda-feira no ajuste, e a do DI para janeiro de 2020 subiu de 7,97% para 8,00%. A taxa para janeiro de 2021 terminou em 8,81%, de 8,79%, e a para janeiro de 2023 ficou estável em 9,51%.

O humor dos mercados externos, onde o tom continuou sendo de correção para investimentos de risco, voltou a conduzir os ativos domésticos, mas o impacto sobre os DIs foi visto como moderado. “O dia inteiro foi conduzido pelo exterior, com o mercado corrigindo bastante nas ações e com abertura das curvas de juros lá fora. Aqui, nem tanto, tivemos hoje uma oscilação tímida dos DIs em comparação com o que está acontecendo lá fora, com a curva doméstica um pouco mais atrelada a questões internas”, disse o trader da Quantitas Asset Matheus Gallina.

A praticamente uma semana da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), a curva está precificando em torno de 100% de chance de queda da Selic em fevereiro e quase 90% de chance de manutenção da taxa básica no Copom de março, segundo Gallina.

Na ponta longa, as atenções estão voltadas ao cenário eleitoral e às negociações em torno da reforma da Previdência. Mas, a despeito do esforço do governo para aprovar as mudanças no dia 19, o mercado segue cético a respeito de um resultado favorável.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB-MS), se reuniram na manhã desta terça para discutir, entre outras coisas, a reforma. “Chegando no Senado, a Previdência vai ser prioridade. O que ele (Eunício) não quer é que chegando num dia, tenha que aprovar no outro. Obviamente ele não quer fazer este tipo de compromisso e nem nós queremos que seja assim”, disse Marun.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!