Bolsas de Nova Iorque realizam lucros e fecham em baixa antes de Trump e Fed – Jornal do Comércio

Os mercados acionários americanos cederam a um forte movimento de realização de lucros nesta terça-feira (30) em um cenário onde predominou a cautela antes da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e do discurso sobre o Estado da União do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Capitólio.

O índice Dow Jones fechou em baixa de 1,37%, aos 26.076,89 pontos; o S&P 500 recuou 1,09%, aos 2.822,43 pontos; e o Nasdaq caiu 0,86%, aos 7.402,48 pontos. Com esse resultado, os indicadores acionários da Bolsa de Nova York registraram o pior desempenho diário desde agosto.

Após diversos recordes batidos neste ano, as bolsas americanas realizaram lucros nesta terça-feira, antes de eventos importantes nos EUA. Embora a reforma tributária aprovada em dezembro e os balanços das empresas tenham impulsionado os mercados nas últimas semanas, “esses fatores são antiquíssimos”, destaca o diretor-gerente da Capital Securities Management, Kent Engelke. “Qual será o próximo catalisador?”, questiona.

Para do movimento baixista vem da cautela com Trump. Na madrugada de terça para quarta-feira, o presidente americano fará o aguardado discurso sobre o Estado da União. A expectativa é de que o conteúdo aborde cinco temas: economia e a reforma tributária; infraestrutura; imigração; comércio; e terrorismo e ameaças globais. O tema do discurso, de acordo com a Casa Branca, é “Construindo uma América forte, segura e orgulhosa”. Para o presidente da Farr, Miller & Washington, Michael Farr, os preços dos ativos podem voltar a subir caso Trump seja “um presidente que defende o crescimento e os mercados. Se ele adotar um tom mais suave e um pouco mais amável, os mercados poderiam responder positivamente com a esperança de que isso funcione”.

Com exceção do segmento de serviços básicos (+0,17%), todos os setores do S&P 500 registraram baixa, com as ações de energia e de saúde liderando as perdas. No primeiro caso, a baixa do petróleo devido a preocupações quanto a um aumento na produção de óleo americana fez com que as ações de companhias de energia fechasse em baixa: a Chevron perdeu 2,53% e a ExxonMobil recuou 1,40%.

Já no setor de saúde, pesou a notícia de que a Amazon, o J.P.Morgan e a Berkshire Hathaway irão formar uma nova companhia de saúde, em uma forma de parceria para cortar custos e melhorar os serviços na área para seus funcionários em solo americano. A UnitedHealth, controladora da Amil, fechou em baixa de 4,35%, enquanto a Aetna cedeu 3,02% e a Cigna despencou 7,15%.

Nas ações de tecnologia, relatos de que o Departamento de Justiça (DoJ, na sigla em inglês) dos EUA e a Comissão de Títulos e Câmbio (SEC, na sigla em inglês) irão investigar a Apple fizeram com que as ações da companhia caíssem 0,59%. Já o Índice de Volatilidade da CBOE (VIX), considerado um medidor de medo de Wall Street, atingiu o maior nível desde agosto. O indicador, que usa as opções do S&P 500 para medir as expectativas dos traders em relação às oscilações nos mercados de ações, fechou em alta de 6,86%, aos 14,79 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!