Desembolsos do BNDES para Finame totalizaram R$ 19,696 bi em 2017, alta de 11% – Jornal do Comércio

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberou R$ 19,696 bilhões no ano passado por meio da Finame, sua linha de crédito para o financiamento dos investimentos na compra de bens de capital. O valor representa crescimento nominal (sem descontar a inflação) de 11% em relação a 2016.

Já o BNDES Giro, linha para capital de giro, recebeu R$ 7,071 bilhões em 2017, um avanço nominal de 164% na comparação anual. “Os números incluem o programa BNDES Giro, lançado em agosto, e seu antecessor, o BNDES Progeren”, diz a nota divulgada nesta terça-feira, 30, pelo banco de fomento.

O BNDES Giro tem sido apontado pela diretoria do banco como um dos principais vetores de crescimento dos desembolsos em 2018. Semana passada, o superintendente da Área de Operações Indiretas (AOI) do BNDES, Marcelo Porteiro, disse ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, que a instituição projeta liberar R$ 20 bilhões no BNDES Giro entre agosto de 2017, quando o programa foi relançado, e agosto de 2018. Até dezembro, o valor anual poderá chegar a R$ 21,5 bilhões, três vezes mais do que em 2016.

Já o valor liberado na Finame, linha para a compra de bens de capital, poderá superar em 20% o de 2017, atingindo cerca de R$ 24 bilhões.

O BNDES destinou 42% do total de R$ 70,751 bilhões liberados em 2017 para empréstimos a médias, pequenas e microempresas (MPMEs). As empresas desse porte (com faturamento anual de até R$ 300 milhões, conforme a classificação do banco) receberam R$ 29,709 bilhões no ano passado, alta nominal (sem descontar a inflação) de 9% ante 2016. Segundo o BNDES, essa participação das empresas de menor porte é recorde nas estatísticas do banco.

O avanço nos desembolsos para as MPMEs foi concentrado no segmento das médias empresas (faturamento anual de R$ 4,8 milhões a R$ 300 milhões, na classificação do BNDES). Para essa categoria, os desembolsos foram de R$ 13,153 bilhões, alta nominal de 98% ante 2016. As pequenas empresas (faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 4,8 milhões) receberam R$ 7,764 bilhões, alta de 10% ante 2016.

Já as microempresas, que faturam até R$ 360 mil ao ano na classificação do BNDES, destoaram das demais. O BNDES liberou R$ 8,792 bilhões para empresas desse porte em 2017, uma queda nominal de 35% em relação a 2016.

Com o avanço da participação das MPMEs no total, as grandes empresas receberam R$ 41,042, uma queda nominal de 33% em relação a 2017.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!