Juros de cartão e cheque especial se mantêm acima de 300% – Jornal do Comércio

Crédito


Notícia da edição impressa de 30/01/2018.
Alterada em 29/01 às 23h29min

Juros de cartão e cheque especial se mantêm acima de 300%

Índice cobrado no parcelamento da dívida do cartão, solução imposta ao cliente, subiu e chegou a 169,2% ao ano

/VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC

A taxa média do cartão de crédito encerrou 2017 a 334,6% ao ano – queda de 163,1 pontos percentuais (p.p.) em relação ao registrado em 2016. No primeiro trimestre do ano passado, entraram em vigor as novas regras para essa modalidade – a mais cara para os consumidores, que limitaram o uso prolongado do crédito rotativo e forçaram uma queda nos juros.

Isso aconteceu tanto no uso regular do cartão (quando o cliente paga só 15% da fatura) quanto no uso não regular (não quita nem esse percentual). Por outro lado, na taxa cobrada no parcelamento na dívida do cartão – alternativa oferecida pelo setor para regularizar a situação do cliente -, os juros subiram 15,4 p.p., para 169,2% ao ano, permanecendo ainda em patamar elevado.

No caso do cheque especial, os juros médios encerram 2017 em 323% ao ano – com redução de 5,6 p.p. na comparação com o custo registrado em 2016, segundo relatório divulgado pelo Banco Central (BC) ontem, no último trimestre do ano, a taxa subiu 1,7 p.p. Ao divulgar os dados, o chefe do Departamento Estatístico do BC, Fernando Rocha, disse que, apesar da redução nos juros, o consumidor deve evitar o uso frequente das duas modalidades de crédito. “As taxas são bastante elevadas nessas modalidades. As pessoas devem planejar seus orçamentos e gastos a fim de que permaneçam no cheque especial e no cartão o menor tempo possível”, disse Rocha, acrescentando que, em dezembro, os consumidores usaram o 13º salário para sair do cheque especial e fazer compras à vista no cartão de crédito.

De acordo com o BC, os juros médios nas operações de crédito com recursos livres (podem ser emprestados livremente pelos bancos) alcançaram 40,3% em 2017. No caso das pessoas físicas, houve queda de 17,3 p.p. na comparação com a taxa cobrada no ano anterior. Para as empresas, o custo ficou 21,5% ao ano, com queda de 6,6 p.p. no período.

Como os juros médios caíram também em função da trajetória de queda na Selic (taxa básica), o spread (diferença entre o custo de captação dos bancos e o valor cobrado do consumidor) também caiu 8,5 p.p., fechando 2017 a 31,8% ao ano – acompanhado de redução na inadimplência. Com recursos livres para pessoas físicas, a taxa ficou 5,2% no ano passado, e, para as empresas, 4,5% – queda de 0,8 p.p. no ano.

O saldo das operações de crédito do sistema financeiro alcançou R$ 3,086 trilhões em dezembro – alta de 0,7% em relação ao mês anterior e redução de 0,6% em 12 meses. É o segundo resultado anual seguido no vermelho e influenciado, sobretudo, pela queda nos financiamentos voltados às empresas, em meio à lenta recuperação da atividade econômica após a recessão. Em dezembro, apresentaram expansão as concessões para pessoas físicas e jurídicas, na comparação com os dados registrados ao final de 2016.

Na avaliação do BC, o ritmo do crédito está em linha com a recuperação da atividade econômica. Ele lembrou que as concessões se recuperam ao longo do ano, sobretudo para pessoas físicas. “O crédito iniciou processo de recuperação, que é gradual. Algumas modalidades saíram na frente, e outras, não. Ele parece alinhado com recuperação da atividade que a gente viu ao longo de 2017”, afirmou Rocha. O volume total de crédito na economia atingiu 47,1% do Produto Interno Bruto (PIB), alta de 0,2 p.p. em relação a 2016.

Volume de cheque devolvido cai ao menor nível desde 2013

Região Nordeste foi a que mais emitiu documentos sem saldo

Região Nordeste foi a que mais emitiu documentos sem saldo

/JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC

O volume de cheques devolvidos pela segunda vez por falta de fundo atingiu 2% no total compensado no País em 2017, de acordo com a Serasa Experian. O resultado é o mais baixo dos últimos quatro anos, retornando ao nível de 2013, segundo a entidade.

Em dezembro, o percentual de devoluções foi de 1,96% na comparação com 1,93% em novembro do total de cheques movimentados. Em relação a dezembro de 2016, quando foi de 2,25%, houve queda.

Segundo os economistas da Serasa, a retomada do crescimento econômico, o alívio na inflação e a queda na taxa básica de juros, além do recuo gradual do nível de desemprego, ajudaram a reduzir a inadimplência com cheques em 2017.

A Região Nordeste liderou o ranking de devoluções de documentos pela segunda vez por falta de fundo, com 3,92%, enquanto o Sul do País apresentou o menor percentual, com 1,65%, de janeiro a dezembro do ano passado. Entre os estados, o Amapá ficou em primeiro lugar, com 15,42% de cheques devolvidos em 2017. Já São Paulo registrou o menor percentual, de 1,59%.

Banco Central passa a divulgar séries de inadimplência no crédito

O Banco Central informou, por meio de nota, que ampliou e aperfeiçoou a divulgação das estatísticas de crédito. Desde ontem, a instituição passou a divulgar séries de inadimplência medidas por “coortes de contratação”. “A publicação dos dados tem como objetivo permitir a avaliação de uma coorte específica de contratação, ou seja, o conjunto de operações contratadas em um determinado mês”, explicou o BC, em nota, ao se referir ao conceito de coorte.

“Esses dados também permitem entender o comportamento de cada coorte de contratação ao longo do tempo, melhorando a correlação com variáveis macroeconômicas e políticas específicas de concessão de crédito.” De acordo com o BC, serão disponibilizados, inicialmente, séries estatísticas para as seguintes modalidades de crédito: financiamento de veículos, crédito consignado, crédito pessoal sem consignação e financiamento habitacional. “A melhoria das estatísticas e sua divulgação permitirá que se avalie melhor os impactos de suas políticas de concessão.

A publicação dos dados será trimestral”, acrescentou o BC.

Indicador de Custo de Crédito reduz,
em dezembro, para 21,4% ao ano

O Indicador de Custo do Crédito (ICC) caiu 0,5 ponto percentual em dezembro ante novembro, para 21,4% ao ano, informou o Banco Central. Houve baixa de 0,8 ponto percentual no caso de pessoas físicas, para 26,6% ao ano, e recuo de 0,1 ponto percentual no caso de empresas, para 15,6% ao ano.

O ICC é o mais recente indicador de crédito do Banco Central. O percentual do indicador reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque.

Na prática, é um indicador que reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento. Considerando apenas o crédito com recursos livres, o ICC caiu 1,4 ponto percentual, para 34,4% ao ano de novembro para dezembro. No caso do crédito com recursos direcionados, o indicador ficou estável, em 8,9% ao ano.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!