Não se pode contar com cenário benigno para sempre, diz Ilan – Exame

“Nada por ser feito isoladamente”, disse o presidente do BC ao comentar a proposta do setor de cartões para acabar com o parcelado sem juros

access_time 30 jan 2018, 13h38 – Publicado em 30 jan 2018, 10h48

São Paulo – “Nada por ser feito isoladamente”, disse Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central, ao comentar a proposta do setor de cartões para acabar com o parcelado sem juros.

Ele notou que há um esforço do BC para tornar os meios eletrônicos mais eficientes e com isso reduzir a circulação de papel-moeda.

Ilan falou no evento Latin America Investment Conference, realizado pelo Credit Suisse em São Paulo nesta terça-feira (30).

Sua apresentação repetiu a ideia de que a inflação mais baixa está ligada a dois fatores: deflação de alimentos e uma melhora relativamente rápida das expectativas.

“Esta mudança na visão sobre o futuro tem a ver com a mudança na direção da política monetária”, disse ele, pois o BC “manteve a firmeza”.

A inflação fechou 2017 em 2,95%, abaixo do piso da meta do governo pela primeira vez desde que o regime de metas de inflação foi estabelecido em 1999.

O presidente do BC vê um cenário “satisfatório” atualmente, combinando inflação abaixo do esperado com crescimento acima do esperado.

A previsão é que a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) tenha sido de 1% em 2017, acelerando para cerca de 2,7% em 2018 e 3% em 2019. Para a inflação, a previsão é de uma volta em direção ao centro da meta em 2018 e 2019.

Cenário externo

Ilan notou que há atualmente uma “exuberância nos mercados globais”, com bolsas e preços de ativos em preços recordes diante de um crescimento “sincronizado como há muito tempo não se via”.

Ele diz que o primeiro risco no horizonte brasileiro é “do bem”, o que seria uma inflação muito baixa devido à inércia e choques favoráveis. O risco negativo é que o ano seja de muita volatilidade.

Isso poderia acontecer pela “frustração de expectativas das reformas” em andamento, especialmente a da Previdência, somado com uma reversão do cenário internacional, apesar de não ser o esperado.

“O cenário internacional é benigno, mas não podemos contar com isso para sempre”, por isso o melhor seria já avançar com as reformas o quanto antes.

Sobre uma possível autonomia do Banco Central definida por lei, Ilan disse que esta “é uma agenda bem-vinda” e que reduziria os prêmios de risco do país, mas reconheceu que depende de prioridades legislativas e notou que o BC já conta com autonomia de fato.

O presidente do BC também repetiu sua visão sobre as criptomoedas como o bitcoin, notando  que as tecnologias como o blockchain são bem-vindas e serão bastante usadas, mas que isso não significa permitir que elas sejam usadas para ocultas ativos ou para endossar uma bolha de especulação:

“Tinha gente nos Estados Unidos hipotecando a casa para investir nessas moedas. Não é por aí”, disse ele.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!