Produção industrial cresceu 2,5% em 2017 – Jornal do Comércio

A produção industrial brasileira voltou a registrar crescimento no último mês do ano passado, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Produção Industrial prevê um avanço de 0,2% em dezembro de 2017 ante novembro do mesmo ano. Como resultado, o setor industrial acumulou uma expansão de 2,5% no ano passado.

O indicador é calculado como uma prévia da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado oficial será divulgado pelo IBGE na próxima quinta-feira.

Na passagem de novembro para dezembro, os destaques positivos foram a importação de bens intermediários, com alta de 1,7%, e a produção de veículos automotores, com avanço de 4,5% no mês e encerrando o ano com expansão de 25,2%.

Em dezembro, a produção aumentou 3,8% em relação a dezembro de 2016, o que representaria a quarta alta consecutiva nesse tipo de comparação. O bom desempenho foi disseminado entre os componentes do indicador, com exceção da queda de 8,8% no indicador de estoques, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Segundo o Ipea, o cenário para a produção industrial brasileira permanece de recuperação gradual e constante. “Percebemos uma trajetória regular ao longo de 2017. O crescimento da produção, que é uma consequência da melhora das vendas internas e das exportações, tem aumentado significativamente o emprego industrial. É um setor que já está empregando mais e à frente de outros setores, como comércio e serviços, no que diz respeito à recuperação da crise”, avaliou o autor do estudo, Leonardo Mello de Carvalho, técnico de planejamento e pesquisa do Ipea, em nota oficial.

Apesar da melhora na produção industrial ao longo de 2017, o Produto Interno Bruto (PIB) do setor ficou estável (0%) no fechamento do ano, segundo estimativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. A expectativa para o desempenho em 2018, porém, é de um avanço de 3,7% no PIB da indústria.

No cálculo do PIB industrial estão inclusos mais componentes do que no indicador de produção. Além das indústrias extrativas e de transformação, integram o PIB do setor também a construção civil e o segmento de distribuição de gás, eletricidade e água. “Essa recessão especificamente jogou muito para baixo a demanda doméstica, por uma série de fatores, como a alavancagem muito alta das famílias e o desemprego muito forte”, justificou Carvalho.

Confiança e utilização da capacidade instalada ficam estáveis em janeiro, afirma FGV

O Índice de Confiança da Indústria medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) encerrou janeiro em 99,4 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, mesmo resultado aferido em dezembro. No trimestre, o índice avançou 1,2 ponto, atingindo 98,8 pontos.

Também registrou estabilidade o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (74,7%), que se manteve o maior desde dezembro de 2015. No trimestre, o índice avançou 0,1 ponto percentual, passando para 74,7%.

O desempenho do Índice da Situação Atual é o maior desde setembro de 2013 – subiu 2,4 pontos, atingindo 100,9 pontos. Contribuiu para esse resultado a melhora na percepção sobre os estoques em janeiro. A parcela de empresas que avaliam o nível de estoques como insuficiente caiu de 5,6% para 5,4%, mas a parcela das que o consideram excessivo caiu em maior proporção, de 9,1% para 8%.

O Índice de Expectativas caiu 2,4 pontos, totalizando 98 pontos, mesmo nível de novembro passado. A principal contribuição para a queda do índice foi a expectativa sobre a evolução de pessoal ocupado nos três meses seguintes. Houve queda da proporção de empresas prevendo aumento no volume de pessoal, de 19% para 17,8%, e diminuição da proporção das que esperam redução, de 12,5% para 12,3%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!