Taxas futuras de juros operam na estabilidade, com viés de alta – Jornal do Comércio

Os juros futuros oscilam próximos dos ajustes anteriores, com viés de alta na manhã desta terça-feira (30). Na segunda-feira, as taxas subiram na sequência das fortes perdas computadas na semana passada. Os agentes de renda fixa ponderam o dólar fraco ante o real e outras divisas fortes e ligadas a commodities no exterior e os sinais mistos do rendimento dos Treasuries – em relativa estabilidade no T-Note 2 anos e altas nos papéis de 10 e 30 anos.

Os investidores de renda fixa monitoram ainda a participação do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em evento do Credit Suisse, em São Paulo. Segundo ele, a continuidade de reformas, em particular da Previdência, é fundamental para o equilíbrio da economia.

Ele ressaltou que a aprovação de reformas tem consequências favoráveis para a desinflação e vai contribuir para a queda dos juros estruturais e recuperação sustentável do PIB. Em sua avaliação, os três fenômenos mais determinantes para a conjuntura econômica brasileira do ponto de vista do Banco Central no ano passado foram a queda de inflação e de juros, que ajudaram na recuperação da economia do País.

Às 9h57min, o contrato de DI para janeiro de 2019 estava a 6,790%, de 6,785% no ajuste de segunda. O DI para janeiro de 2020 a 7,98%, de 7,97% do ajuste anterior. O DI para janeiro de 2021 estava a 8,80, de 8,79% do ajuste anterior. E o DI para janeiro de 2023 a 9,53%, de 9,51% do ajuste anterior. No câmbio, o dólar à vista caía 0,27%, aos R$ 3,1572.

Mais cedo, a desaceleração do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) de janeiro e o aumento do Indicador de Incerteza da Economia Brasileira em janeiro ante dezembro foram olhados, mas deixados em segundo plano, assim como o Índice de Preços ao Produtor (IPP).

O IPP, que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou alta de 0,46% em dezembro de 2017, informou nesta segunda o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de novembro do ano passado foi revisada de uma elevação de 1,43% para avanço de 1,40%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!